Na estreia frustrante, Brasil mostrou ter 'queixo de vidro' e falta de um saco roxo

Mal individualmente e fraco no coletivo; Tite mexeu errado, árbitro mexicano foi uma piada e Neymar individualista.

por - - - REDAÇÃO - Campinas

A estreia do Brasil na Copa da Rússia foi decepcionante. Bem no popular, a ‘Seleção deu Mole’ demais para um adversário limitado e que não apresentou nada mais do que vontade na marcação. O Brasil foi mal individualmente e não funcionou no coletivo. Estava desconcentrado, sem foco. O estilo ‘já ganhou’ não funciona para o jogador brasileiro. Desta vez faltou brilho.

Coutinho fez um golaço e deu outro chute valioso
Coutinho fez um golaço e deu outro chute valioso

Logo no início se percebeu que a diferença técnica entre os dois times era enorme. O Brasil dependeria de um lance individual para abrir o placar. E o fez um golaço de Phillipe Coutinho.

Com a vantagem ficou fácil para nossa seleção liquidar o jogo. Mas exagerou nos passes, trocou tranquilidade por passividade e, em alguns momentos, se viu apertado por uma marcação adiantada da Suíça.

MARCELO IRRECONHECÍVEL
O Brasil ainda abusou nos passes errados e o lateral Marcelo, no dia em que foi guindado à condição de capitão, teve uma péssima atuação.

Errou dezenas de passes, não marcou bem e não atacou como costuma fazer. Nem cruzou. Fez o que então? Nada.

Neste cenário, o Brasil deu sopa para a Suíça. Cedeu espaço e levou o gol de empate. É bem verdade que o lance foi irregular, mas o árbitro não viu e nem quis olhar a câmera de vídeo. O zagueiro Miranda foi visivelmente empurrado pelas costas.

QUEIXO DE VIDRO
Mas este jogo mostrou ainda outras fragilidades do selecionado de Tite. A expectativa era, justamente, para o momento em que o Brasil fosse apertado para correr atrás de um resultado, como acontecem nos jogos de mata-mata nas próximas fases. Isso aconteceu já nesta estreia e gerou frustração.

O Brasil mostrou ter ‘queixo de vidro’. Como um boxeador que toma um soco e sente o golpe. O Brasil cambaleou e demorou pra reagir. Sofreu um gol e entrou em desespero. Nesta hora que clamamos por um líder em campo, um cara de saco roxo que liderasse o time. Não vimos isso.

EQUÍVOCOS DE TITE

Tite sentiu a estreia e errou nas substituições
Tite sentiu a estreia e errou nas substituições

Tite se perdeu no banco. Tirou Casemiro, que estava amarelado, mas em seguida cometeu o erro em por Renato Augusto, pesado, sem ritmo e tropeçando na bola. Foi ‘mais um’ para entrar na correria.

O técnico também não enxergou que deveria inverter o posicionamento de Willian com Neymar para fugir da marcação e criar espaços. Ou mesmo tirar Willian, que já estava manjado.

O técnico ainda poderia simplesmente ter fixado Fernandinho na frente da defesa e encaixar Firmino no ataque, uma vez que Gabriel Jesus estava melhor no segundo tempo. Usaria dois atacantes, com os meias triangulando pelas laterais.

CHANCES NO FINAL
Sobraram as tentativas desesperadas de Neymar em jogadas individuais. Ainda na fase de desespero, daqueles últimos minutos, o time criou boas chances e exigiu duas grandes defesas do goleiro Suíço que garantiu o empate.

Para completar a lambança, a Fifa escalou um árbitro de terceira categoria: o mexicano César Ramos. Ele na aplicou corretamente os cartões amarelos, permitiu a violência dos suíços e errou em dois lances graves. Tanto na fala no gol como num pênalti cometido em cima de Gabriel Jesus.

GLOBO PISOU NA BOLA
Pior do que tudo isso é ver a transmissão da Rede Globo, com Galvão Bueno babando ovo e com a dupla de comentaristas famosa, com Ronaldo Fenômeno e Casagrande, falando o sexo dos

Galvão Bueno e seus dois
Galvão Bueno e seus dois "Bonecos de Olinda"
anjos e recordando os dias de glória. Literalmente fizeram o papel dos bonecos de Olinda ao lado de Galvão.

Nada de uma análise técnica ou tática. Criticas? Nenhuma. Nisso, louve-se a brilhante análise de verdadeiros jornalistas como Maurício Noriega na Sportv. Este sim viu o jogo e se expressou de maneira clara e objetiva.

Nem tudo está perdido, nem na Imprensa, nem para a Seleção. Afinal ainda temos os melhores jogadores do mundo e continuamos favoritos.

- - - REDAÇÃO
Esta coluna é publicada pela Editoria da Agência Futebol Interior. O PORTAL FUTEBOL INTERIOR é o mais completo site vertical de futebol do Brasil, com duas décadas de existência e que se tornou referência nacional quando se fala em futebol, a paixão nacional. E, totalmente, independente. Acom
Veja perfil completo
Veja todos