Paulista A2: Diretores do XV endossam paralisação e acreditam na briga pelo acesso

Responsáveis pelo futebol profissional da equipe veem a medida como sensata e falam em título da A2 no retorno às atividades

por Agência Futebol Interior

Piracicaba, SP, 19 - Após 12 rodadas disputadas, o Paulistão A2, assim como a imensa maioria dos estaduais pelo Brasil, encontra-se paralisado como medida de conter a propagação do novo coronavírus pelo país.

Os responsáveis por gerirem o futebol profissional do XV de Piracicaba veem a medida como sensata e analisam de forma positiva a temporada do clube até o momento. O Nhô Quim está em quinto na A2 e pela primeira vez em sua história, chegou à segunda fase da Copa do Brasil.

PATO MANTÉM RITMO FORTE

“Estamos apenas em março, mas este já é um ano que ficou marcado para todos nós, não só dentro como fora de campo também.

As duas partidas que fizemos pela Copa do Brasil foram memoráveis, acho que não só para nós, para os torcedores, atletas, comissão técnica, enfim, todos que estão envolvidos com o XV, direta ou indiretamente”, lembra o diretor de futebol do Alvinegro Piracicabano, Ricardo Moura, se referindo aos embates com Londrina e Juventude.

BRIGA PELO ACESSO

O dirigente avalia positivamente o desempenho no estadual e crê em uma equipe forte na briga pelo acesso.

“Tivemos um início difícil, porém o grupo mostrou seu potencial e deu a resposta que esperávamos desde o começo, quando montamos esse elenco. A parada do campeonato foi necessária, pois o bem-estar de todos está acima de qualquer coisa. Estamos nos preparando para voltarmos bem e, inclusive, subirmos algumas posições na classificação”, analisou.

EXEMPLO

Beto Souza e Ricardo Moura, diretores do XV de Piracicaba (Foto: Divulgação/XV de Piracicaba)
Beto Souza e Ricardo Moura, diretores do XV de Piracicaba (Foto: Divulgação/XV de Piracicaba)

O gestor de futebol Beto Souza corrobora sobre a parada na A2, ressaltando que é uma questão humanitária.

“Todos nós temos que ter responsabilidade social em nossos atos. Falando especificamente do futebol, que envolve multidões, é preciso dar exemplo.

Temos a obrigação de buscar as melhores alternativas para preservarmos a saúde não só nossa, mas das pessoas que estão mais suscetíveis às complicações que esse vírus pode gerar”, comentou.

“O nosso departamento médico e nossa comissão técnica têm passado aos jogadores os métodos mais eficazes de prevenção nesse período tão difícil e também as melhores maneiras para que eles se mantenham em forma para que, assim que o campeonato voltar, continuemos firmes na disputa pelo título.

Antes da última partida, contra o Taubaté, vivíamos uma sequência de dez jogos de invencibilidade e não podemos deixar o ritmo cair”, completou Beto Souza.