Série C: Torcida invade Canindé e quebra sala da presidência após queda da Portuguesa

Grupo de cerca de 40 torcedores que promoveu o "quebra quebra" seria ligado a uma torcida organizada

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 18 (AFI) - O rebaixamento da Portuguesa à Série D do Campeonato Brasileiro não passou impune à ira da torcida. Assim que a queda foi consumada com a derrota para o Tombense, por 2 a 0, neste domingo, um grupo de cerca de 40 torcedores invadiram e fizeram um verdadeiro "quebra-quebra" na sala da presidência da Lusa, no Canindé.

As fotos reproduzidas pelo próprio clube mostram objetos, como cadeiras vasos, pastas e documentos atirados ao chão. Embora ainda não tenha sido divulgado se os torcedores foram identificados, as primeiras informações dão conta de que trata-se de uma ação orquestrada por membros da Leões da Fabulosa, principal organizada da Lusa.

Imagens da sala da presidência da Portuguesa vandalizada já roda nas redes sociais - Foto: Reprodução
Imagens da sala da presidência da Portuguesa vandalizada já roda nas redes sociais

O presidente José Luiz Ferreira ficou sabendo do ocorrido através de funcionários, já que não se encontrava no Canindé no momento da invasão. Revoltado, ele classificou a atitude do grupo como ação de "bandidos" e "covardes".

Este foi o quarto rebaixamento desde 2013. Além da queda na Série C, o time já vinha de uma sequência de rebaixamentos no Brasileirão (2013), Série B (2014) e Paulistão (2015). Campanhas fracassadas frutos de péssimas administrações nos últimos anos, que fizeram o clube chegar a uma dívida de quase R$ 200 milhões.

Uma parte destas dívidas, aliás, é responsável por um possível leilão do Canindé, marcado para acontecer em 7 de novembro. A área do estádio foi penhorada por conta de um dívida de R$ 47,325.886,60, que incluí diversas ações trabalhistas de ex-jogadores, além de débitos com a Prefeitura de São Paulo pela falta de pagamento de IPTU referente aos anos de 2005, 2012, 2013, 2014 e 2015.