Antes de culparem a CBF, leiam aquilo que prevê o regulamento

Jogos são mantidos com clubes dispondo de 13 jogadores inscritos

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Dias atrás, após vitória do Confiança que nem me recordo o adversário, fui 'corujar' aquilo que diziam cronistas de Aracaju, capital sergipana.

Pra meu espanto, só faltavam os 'profissionais' da Rádio Jornal local pedirem autógrafos aos jogadores do time da casa, dada a euforia com o resultado.

Aí retornemos à região Sudeste do País, onde se supõe que pau é pau e pedra e pedra, mas pedra continua parecendo pau.

Se há uma regra na CBF, válida para competições nacionais, de que qualquer clube que disponha de 13 jogadores inscritos em condições de jogo a partida deve ser realizada, não há o que contestar.

Regulamento, por sinal, bem lembrado pelo parceiro Ariovaldo Zanelli e reafirmado por Léo-PR, que lembra o favorecimento do Guarani quando enfrentou o CSA em Alagoas, época em que o mandante contava com 14 jogadores infectados.

Alagoanos foram prejudicados, prevaleceu o regulamento, mas o Guarani perdeu no campo.

Como sou legalista, e por entender que o acordado deve ser cumprido, não há porquê fazer média com o torcedor bugrino, e descer a 'madeira' na CBF.

Nada disso. Meu princípio de isenção é o combustível pra que me mantenha vivo ao logo dos quase 50 anos de carreira jornalística.

Houve, sim, irresponsabilidade de jogadores bugrinos, quer aqueles que descumpriram protocolos determinados pelo clube, quer exigidos pela CBF para não se infectarem.

TODINHO E PABLO

Viralizou na Internet vídeo em que o atacante bugrino Júnior Todinho 'curte' balada noturna, situação em que flagrado numa aglomeração aumenta o risco de contrair Covid-19, com consequente repasse no ambiente de trabalho.

Jornalista Elias Aredes divulgou na Rádio Brasil Campinas que o polivalente Pablo participou de culto religioso em ambiente com aglomeração, quando o recomendável seria se precaver.

E quando testes de Covid de jogadores diagnósticam positivo, a possibilidade de propagação do vírus se evidencia, porque entre eles raramente são cumpridos os protocolos de isolamento e higienização.

Portanto, como sou legalista e acompanho aquilo que prevê o regulamento, de minha parte nada há a contestar sobre a posição da CBF, que até admitiu adiamento do jogo com o Cuiabá em 24 horas, mas a própria diretoria do Guarani preferiu a manutenção da data programada, nesta quinta-feira.

PONTE PRETA

Certo, sim, fez a direção da Ponte Preta quando multou e afastou em dez dias o atacante João Veras e volante Danrley, que descumpriram protocolo exigido pelo clube para evitar contrair e transmitir Covid-19.

Faltou ao Guarani esse monitoramento para identificar quem foi o responsável pra colocar o vírus dentro do Estádio Brinco de Ouro, assim como desatenção à exigência protocolar dos jogadores para evitar propagação.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos