Após ação da Portuguesa na Justiça, leilão do Canindé termina sem lances

Na primeira rodada, que não teve interessados, o valor era de R$ 163 milhões

por Agência Estado

São Paulo, SP, 09 - Após a Portuguesa entrar com uma petição na 14.ª Vara Cível da Capital de São Paulo para suspender o leilão de parte do terreno do Canindé, marcado para esta quinta-feira, não surgiram interessados.

Para acionar a Justiça, o clube se baseou no pedido de tombamento enviado para Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental (Compresp) no dia 12 de abril.

ARGUMENTO

No entendimento do clube, o leilão só pode ser concluído após a decisão definitiva sobre o tombamento do complexo Oswaldo Teixeira Duarte, formado pelo estádio do Canindé e o clube social.

Esta quinta-feira marcou o encerramento do prazo para os interessados em arrematarem a área avaliada em R$ 98 milhões. Esse valor é considerado muito baixo para a dimensão e a localização do terreno.

NÚMEROS

Na primeira rodada, que não teve interessados, o valor era de R$ 163 milhões. É exatamente na última rodada, com a queda do preço, que costumam surgir os interessados, mas a ação da Portuguesa os desestimulou.

A área possui 42 mil metros quadrados que correspondem a cerca de 45% do total da sede da Portuguesa - o restante pertence à Prefeitura, que também já autorizou a venda dessa parte. A divisão passa pelo meio do estádio.

A área foi penhorada para o pagamento de dívidas trabalhistas que ultrapassam R$ 55 milhões. O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) já realizou duas tentativas de leilão, mas elas não atraíram investidores.

Na primeira rodada, que não teve interessados, o valor era de R$ 163 milhões. (Foto: Divulgação)
Na primeira rodada, que não teve interessados, o valor era de R$ 163 milhões. (Foto: Divulgação)

LIMITAÇÕES

Se for tombado, o estádio não pode se transformar em um complexo hoteleiro, por exemplo, como previa o projeto revelado pelo Estado.

A planta previa a construção de um hotel, um shopping center, uma sede social e ainda uma nova arena para 15 mil pessoas. O custo total seria de R$ 2 bilhões.

Na visão dos torcedores, o tombamento significa a possibilidade de o Canindé continuar de pé, independentemente do destino do terreno.

ABAIXO-ASSINADO

Com um abaixo-assinado com mais de cinco mil assinaturas, a torcida conseguiu o apoio do deputado estadual Campos Machado (PTB/SP) para o pedido de tombamento 6025.2019/0005235-3. Nesta quinta-feira, a ação ganhou o apoio do clube.

Esse é o segundo pedido de tombamento do Canindé nos últimos anos. Em 2016, o clube entrou com um processo no Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico.

O Condephaat abriu um dossiê preliminar e recebeu parte dos documentos, mas arquivou o pedido.

DESEJO

A Portuguesa quer que a área se torne patrimônio cultural da cidade em virtude do valor cultural e histórico do complexo.

O salão nobre, por exemplo, foi projetado por João Batista Vilanova Artigas, um dos principais nomes da arquitetura paulista, em colaboração com Carlos Cascaldi, sócio de Artigas.