Técnico critica garotos e detona malandros da Ponte Preta

por Agência Futebol Interior

Joinville, SC, 1 (AFI) – Jorginho ainda está longe de ser um grande técnico, mas pode já ser enquadrado no grupo daquelas pessoas corajosas, que fala a verdade, mesmo quando ela é contundente e pode ferir muita gente. Após a apatia da Ponte Preta na derrota para o Coritiba, por 2 a 1, nesta terça-feira à noite, na Arena Joinville, ele não poupou ninguém na entrevista coletiva.

Confira:
Ponte perde para Coxa em Joinville

“Não vou passar a mão na cabeça de ninguém. Tudo tem limite. Não dá para aceitar a apatia que nosso time mostrou contra o Coritiba e também na derrota (3 a 1) para o São Caetano. Falta experiência e malícia para alguns garotos, mas, por outro lado, temos alguns marmanjos e malandros que não mostram nenhum espírito de luta. Nosso time foi muito passivo”, disparou o treinador, sem citar nomes.

Metralhadora giratória
Ele não parou de apertar a sua metralhadora giratória, mostrando até como gostaria de ver seu time em campo.

“Na nossa profissão não há o que se lamentar, mas é preciso que cada um assuma a sua parcela de culpa. Temos que jogar como se fosse o último pão de nossa vida. Mas isso não aconteceu. Os jogadores foram muito frios”, completou.

E Jorginho ainda criticou a qualidade do grupo.

“Nosso time tem muitas carências. A diretoria está correndo atrás de reforços, mas está difícil, porque os times concorrentes estão pagando muito. Mas precisamos de jogadores de qualidade. Veja, por exemplo, na lateral onde tiramos o Alex Santos e colocamos o André Rocha, que também foi muito mal no jogo. Mas não temos outra opção. O Jackson (da posição) ainda é um menino e não disputou mais do que dois jogos importantes. Como vou escalá-lo?”, indagou.

Sobre o começo e o futuro ele comentou rispidamente:

“Começamos bem, mas a laranja acabou o caldo. Não dá para tirar mais nada. Agora temos que reagir no jogo de sábado, contra o Figueirense, em Campinas. Depois nós vamos ter a parada para a Copa do Mundo e teremos tempo para pensar no futuro. Agora vou me concentrar neste jogo de sábado, depois vamos ver com a diretoria o que vamos fazer”, concluiu Jorginho, o único a aparecer na coletiva, sem outros dirigentes e nenhum jogador.

Com seis pontos, a Ponte Preta ocupa a 16.ª posição, bem perto da zona de rebaixamento. Resta saber se Jorginho vai ser o técnico da Ponte Preta nesta quarta-feira, um dia após o novo tropeço na Série B.