ESPECIAL COPA VERDE: 'Rei da Amazônia', Paysandu conquista bicampeonato

Nesta temporada, o caneco veio diante do azarão Atlético Itapemirim-ES: o placar agregado foi de 3 a 1

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 25 (AFI) - Em 2002, o Paysandu conquistou a última edição da Copa Norte. Doze anos se passaram até que um regional voltasse a ser realizado - e o Papão voltou a mostrar sua força diante de velhos rivais. A partir de 2014, a Copa Verde passou a ser disputada e sempre teve o clube paraense como um de seus protagonistas - em 2018, o time da Curuzu, aliás, chegou ao bicampeonato.

Em 2014 e 2017, o Lobo perdeu a decisão do título para Brasília-DF e Luverdense-MT, respectivamente, mas se sagrou vencedor em 2016, batendo o Gama-DF. Na única edição em que não avançou à final, parou nas semifinais. Nesta temporada, o caneco veio diante do azarão Atlético Itapemirim-ES: o placar agregado foi de 3 a 1.

Paysandu conquistou a Copa Verde - Foto: Fernando Torres
Paysandu conquistou a Copa Verde - Foto: Fernando Torres
FEITOS E RECEITAS!
Além de somar mais um título à gloriosa história centenária - que conta, além do bi da Copa Verde, com 47 títulos Paraenses, a Copa dos Campeões de 2002 e os Campeonatos Brasileiros da Série B de 1991 e 2001 -, o Paysandu se garantiu nas oitavas de final da edição de 2019 da Copa do Brasil, recebendo um prêmio de R$ 2.400.000,00 como cota de participação, e mais R$ 168.000,00 pela conquista.

A CAMPANHA!
O Paysandu foi apontado como favorito desde o início, pois era o único time de Série B do Campeonato Brasileiro na Copa Verde. Ao longo da campanha, eliminou Interporto, com 4 a 0 no agregado da primeira fase, e Santos-AP, com 7 a 4 no somatório das quartas de final.

Nas semifinais, foram duas vitórias por 2 a 1 sobre o Manaus. Na decisão com o Atlético Itapemirim, a vitória em Cariacica-ES, por 2 a 0, praticamente assegurou o caneco - o qual de fato chegou com o empate por 1 a 1, em um Mangueirão abarrotado com 35 mil torcedores, em Belém-PA, em 16 de maio.

O COMANDANTE!
Dado Cavalcanti é quem esteve à frente do Papão da Curuzu durante a campanha. Ele se consolidou como um dos maiores técnicos da história bicolor. Isso porque ele também era o treinador na conquista da Copa Verde de 2016.

Meia do Paysandu, Pedro Carmona fez o gol do título da Copa Verde -  Foto: Fernando Torres
Meia do Paysandu, Pedro Carmona fez o gol do título da Copa Verde - Foto: Fernando Torres
Além disso, naquele mesmo ano, venceu o Paraense, torneio que o clube não levantava desde 2013. A boa fase, porém, não se manteve durante a Série B: o treinador acabou demitido; enquanto o clube foi rebaixado.

MERECE DESTAQUE
Apesar de o Paysandu ter sido o único clube de Série B a disputar a Copa Verde, não deixou de ser surpresa a grande campanha do Atlético Itapemirim, clube pouco vencedor mesmo localmente.

Apostando no técnico Zé Humberto, o Galo da Vila colheu grandes frutos: em 2017, venceu o Campeonato Capixaba e a Copa Espírito Santo, garantindo, para 2018, vaga também na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro da Série D. Durante a campanha do vice-campeonato, o ataque foi a chave do sucesso.

Até encontrar o Paysandu, foram 13 gols em apenas seis partidas. Na primeira fase, deixou o Brasiliense para trás com 5 a 3 no agregado. Depois, fez 6 a 3 no Cuiabá. Nas semifinais, 2 a 1 no Luverdense - o LEC, aliás, foi o único dos três que não perdeu os dois jogos. Isso porque a volta, no Kleber Andrade, em Cariacica-ES, acabou 1 a 1.