Guarani 2 x 1 Ponte Preta - Homem do dérbi deixa Bugre na elite!

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 26 (AFI) – O experiente técnico Vadão mostrou como é que se faz ao “ilusionista” Márcio Bittencourt e na tarde deste sábado, deixou o Guarani mais próximo de retornar à elite após cinco anos. Sem falar que com a vitória, por 2 a 1, sobre a Ponte Preta no Estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, o treinador se manteve invicto em dérbis.


Este foi o sétimo dérbi em que Vadão participou e agora são quatro vitórias e três empates. Os gols de Ricardo Xavier e Bruno Aguiar deixaram o Guarani na segunda colocação, com 49 pontos, seis a menos que o líder Vasco. Enquanto isso, a Ponte Preta se distanciou do G4, ficando na décima colocação, com apenas 36 pontos.

Recorde! O público de 17.287 pagantes foi o maior dos clubes de Campinas na temporada 2009. O dérbi ainda rendeu R$ 205.397,95 aos cofres bugrinos.

Números!
Os rivais jogam desde 1912. Nestes 97 anos de histórias foram 185 confrontos com 65 vitórias bugrinas, 61 empates e 58 triunfos da Macaca, além de um resultado desconhecido.

Curiosidades!
Com esta vitória, o Guarani manteve o tabu contra a Macaca. O Bugrão não perde para a Macaca há um ano e seis meses – são duas vitórias e um empate.

Sem falar que com este triunfo no Brinco de Ouro, o Guarani encerrou um jejum de oito anos sem vencer a Ponte em casa.

Explode torcida bugrina!
O dérbi de número 158 começou com tudo na tarde deste sábado. Logo de cara Maranhão deu um drible da vaca em Vicente. Na sequencia, a Ponte criou duas boas oportunidades, mas a zaga bugrina se deu bem.

Aos 3 minutos o Guarani abriu o placar e em grande estilo. Fabinho avançou em velocidade e tocou para Walter Minhoca. O camisa 10 virou de primeira para Ricardo Xavier. O atacante, com toda tranqüilidade, meteu para o fundo das redes, 1 a 0 Bugrão.

Comemora, nação pontepretana!
O Guarani seguiu melhor, mas foi a Ponte Preta que marcou. Aos 15 minutos, Edilson enfiou uma bola açucarada para Evando. O matador, dentro da área, mandou um petardo para o gol, a bola desviou em Nunes e entrou, 1 a 1.

Com o empate, o dérbi ficou aberto. Os dois times foram ao ataque em busca de mais um gol. Aos 24 minutos, Ricardo Xavier recebeu, esperou a bola pingar e bateu de primeira, um petardo. Mas desta vez o goleiro Giovanni fez uma grande defesa e evitou o segundo gol do matador.

O jogo caiu de produção e só voltou a esquentar no finalzinho. Aos 40 minutos, Eduardo recebeu, invadiu a área e bateu cruzado. A bola passou em frente ao gol, com muito perigo.

Na seqüência, aos 43 minutos, Ricardo Xavier avançou e foi derrubado por Gum e Deda. O árbitro Wilson Luiz Seneme anotou falta de Deda e como ele já tinha cartão amarelo, recebeu o segundo e foi expulso.

“Já não basta o primeiro cartão. Eu não vi o Xavier e ele não me viu. O Jean trombou com ele antes”, desabafou o pontepretano.

No intervalo...
“Fomos bem. Marcamos primeiro, mas levamos o empate. Agora que temos um a mais, vamos buscar a vitória”, disse o lateral do Bugre, Eduardo.

“Temos que voltar com muita concentração”, se limitou a dizer o atacante da Ponte Preta, Evando.

Mas na verdade, o atacante, sequer, voltou para a segunda etapa. Tinga o substituiu no intervalo. No Guarani, Vadão colocou o atacante Caíque na vaga do volante Nunes. Mas logo no comecinho da segunda etapa, o Guarani perdeu Léo Mineiro. Ele deu uma cotovelada em Danilo Neco e foi expulso.

Ele voltou!
Aos 14 minutos, o atacante Finazzi, o Finalizador reestreou na Macaca na vaga de Márcio Mexerica, que sequer, tinha aparecido no dérbi. No lance seguinte, a Ponte quase virou o jogo. Danilo Neco entrou por trás da zaga e cabeceou. A bola passou muito perto do gol.

A resposta do Guarani não demorou a vir. Aos 19 minutos, Fabinho bateu falta com qualidade, como se tivesse batido com a mão, o zagueiro Bruno Aguiar, livre na área, cabeceou para as redes. Festa para o garoto de Amparo, terra de zagueiros, vide Luisão e Alex Silva.

Aos 25 minutos, Caíque dançou para lá e para cá e mandou um petardo. Giovanni fez milagre e espalmou a bola. Mas o gol foi um banho de água fria na Ponte Preta, que não conseguiu empatar e amargou mais uma derrota.Próximos jogos
A 27ª rodada será toda disputada na próxima terça-feira. Enquanto o Guarani, sem Walter Minhoca, Léo Mineiro e Caíque, suspensos, encara o São Caetano, às 21 horas, no ABC, a Ponte Preta enfrenta o América-RN, às 19h30, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas.

No final, Caíque, do Guarani, ainda foi expulso. E no último minuto, a defesa do Guarani parou e Pirão quase empatou de cabeça. A bola só não entrou por milagre.

Ficha Técnica

Guarani 2 x 1 Ponte Preta

Local: Estádio Brinco de Ouro da Princesa, em Campinas – SP
Árbitro: Wilson Luiz Seneme – SP (FIFA)
Público: 17.287 pagantes
Renda: R$ 205.397,95
Cartões amarelos: Nunes, Eduardo, Walter Minhoca (Guarani); Evando, Pirão, Nenê, Edilson (Ponte Preta)
Cartão vermelho: Léo Mineiro e Caíque (Guarani); Deda (Ponte Preta)
Gols: Ricardo Xavier, aos 3’/1T e Bruno Aguiar, aos 19’/2T (cabeça) (Guarani); Evando, aos 15’/1T (Ponte Preta)

Guarani
Douglas; Maranhão, Dão, Bruno Aguiar e Eduardo; Cléber Goiano, Nunes (Caíque), Léo Mineiro e Walter Minhoca (Mário Lúcio); Fabinho e Ricardo Xavier (Fabinho Romão).
Técnico: Vadão.

Ponte Preta
Giovanni; Edilson, Jean, Dezinho e Vicente; Deda, Pirão, e Nenê (Jean Carioca); Danilo Neco, Márcio Mexerica (Finazzi) e Evando (Tinga).
Técnico: Márcio Bittencourt.