Brasil chega à Copa como destaque não somente pelo futebol

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 08 (AFI) - Nos últimos anos, com profissionalização do futebol mundial, aumentou o numero de profissionais da área médica na preparação dos atletas. Na Copa do Mundo, a primeira atuação de um preparador físico, que se tem registro, ocorreu em 1954. Os preparadores atuavam ao lado dos treinadores e eram responsáveis em dirigir as atividades físicas.

Leia mais:
Você sabia? Brazuca foi primeiro técnico a cair durante uma Copa


Na Seleção Brasileira, em 1958, A CBD (Confederação Brasileira de Desportos) convidou o professor e ex-jogador, que atuava como treinador de um clube do Rio de Janeiro, para auxiliar o técnico da seleção. Portanto, sendo o primeiro preparador físico no Brasil em Copa. Com o resultado no mundial, os clubes passaram a adotar o trabalho dos preparadores físicos nas equipes.

Nessa época, havia o conceito de que o preparador físico deveria ser um homem forte, de hábitos rudes, e que deveria exigir o máximo dos jogadores em atividades e não se verificavam os aspectos científicos do treinamento físico.

Militares atuavam como preparadores
No início, os preparadores físicos no Brasil eram os coronéis, majores, capitães, tenente e até mesmo policiais militares. Até 1970, ano do tricampeonato mundial, poucos clubes do país tinham preparadores físicos. No entanto, com o passar dos anos e com os avanços da ciência do futebol, associados ao intercâmbio de profissionais da área junto ao profissional internacional, o Brasil chega à África do Sul com grande destaque.

Segundo o Fisiologista do Futebol, Clodoaldo Galiano De Checchi, o futebol vem se transformando com o passar dos anos.

“A Copa do Mundo não é diferente. A história mostra que cada
mundial apresenta suas características, predominâncias e peculiaridades. Confrontos e comparações são destacados:futebol europeu x futebol sul-americano, “futebol força” x “futebol técnico”, inovação tática, e agora, a preocupação da recuperação dos jogadores para os jogos e os riscos das incidências de lesões musculares e ligamentares”, avaliou Clodoaldo.

São tendências que podem definir e modificar o resultado final da Copa do Mundo da África do Sul.

Siga o Portal Futebol Interior no Twitter