Mano evita confirmar time e polêmica: 'Problema do Inter não é o Cruzeiro'

Treinador desconversou sobre as declarações dadas pelo presidente do Colorado, quando cogitaram a sua contratação no Beira-Rio

por Agência Estado

Belo Horizonte, MG, 25 - O técnico Mano Menezes concedeu entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira, quando o Cruzeiro fez o penúltimo treino de preparação para o jogo contra o Internacional, domingo, às 17 horas, no Beira-Rio, pela penúltima rodada do Campeonato Brasileiro. Ao falar sobre o confronto, o treinador confirmou que Lucas Romero será escalado no meio-campo no lugar do volante e capitão Henrique, que levou o terceiro cartão amarelo no jogo diante do Santos, mas manteve a dúvida sobre o substituto do meia De Arrascaeta, expulso na rodada passada.

Lucas Romero vinha atuando na lateral direita e voltará a jogar como volante, sendo que Ezequiel foi confirmado como substituto para suprir a posição deixada pelo jogador argentino. Já para o lugar do meio-campista uruguaio, ele tem Marcos Vinícius, Alisson e Alex como opções.

"O time vai jogar com Ezequiel na direita e Romero no meio-campo. É uma questão de lógica e procuro obedecer essa coerência. Não vou tirar do jogador que foi improvisado e resolveu o problema da equipe o status que ele criou. Na impossibilidade do Henrique, ele vai no meio-campo e Ezequiel na direita", justificou o comandante.

Mano Menezes enfatiza que o problema do Inter não é o Cruzeiro (Foto: Divulação / Cruzeiro)
Mano Menezes enfatiza que o problema do Inter não é o Cruzeiro (Foto: Divulação / Cruzeiro)
Já ao ser questionado sobre quem irá substituir De Arrascaeta, Mano Menezes avisou que só irá acabar som esse mistério no domingo. "Essa dúvida nós vamos levar para Porto Alegre. Terminamos o ano com o sentimento bom. Os jogadores estão se recuperando e querendo jogar. Estão brigando por espaço. A competitividade dentro é um fundamento que defendo como um dos mais importantes para o time crescer", ressaltou.

DRAMA DO INTER
Ex-técnico do Grêmio e gaúcho, Mano Menezes também não escapou de comentar sobre a difícil situação do Inter, que ocupa a 17ª posição e corre o risco de ser rebaixado para a Série B já nesta penúltima rodada do Brasileirão.

Agora com o Cruzeiro livre do risco de cair para a segunda divisão, após ter convivido com esta possibilidade em outros meses nesta edição da competição, o treinador evitou ser polêmico ao ser lembrado por um repórter de que, neste ano, o presidente do Inter, Vitorio Piffero, chegou a dizer que o ex-técnico da seleção brasileira não tinha perfil para comandar o time colorado. O fato fez o próprio Mano admitir, em agosto, que não teria como trabalhar na equipe gaúcha enquanto Piffero fosse o presidente do clube.

"Não coloco questões pessoais à frente do trabalho. Nada é mais importante que o jogo entre Internacional e Cruzeiro. Já até me esqueci disso. Só me lembrei porque você mencionou", afirmou ao repórter na entrevista coletiva desta sexta, na qual preferiu enaltecer o crescimento do seu time na segunda metade do Brasileirão.

"Nós estamos fazendo um término de ano bem melhor do que o Cruzeiro vinha tendo até então. Somos a quinta melhor campanha do returno. Isso demonstra que melhoramos. Por isso saímos da situação que estávamos, que é a situação que o Inter está vivendo. Felizmente, tivemos a competência de resolver isso antes. Sabemos como é difícil resolver, o problema do Inter não é o Cruzeiro. Vamos jogar com respeito à competição, fazendo o que queríamos que fizessem caso fosse a gente envolvido nessa situação", prometeu.