'Tem clube que não suporta 30 dias', afirma presidente do Bahia em meio à paralisação

"Na situação atual, depende muito de como é composta a receita do clube", avaliou o mandatário tricolor, Guilherme Bellintani

Publicado em .

"Na situação atual, depende muito de como é composta a receita do clube", avaliou o mandatário tricolor, Guilherme Bellintani

Salvador, BA, 22 (AFI) - Sem bola rolando no futebol nacional por conta da pandemia do Covid-19, popularmente conhecido como coronavírus, muitos clubes começam a se ver em situação financeiramente. O presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, destacou este momento.

"Na situação atual, depende muito de como é composta a receita do clube. Se essa rede que sustenta o clube for mais frágil, tem clube que não suporta 30 dias", disse o mandatário tricolor em entrevista aos canais SporTV.

"Se considerar que a TV vai manter contratos, que o campeonato será adiado, mas não cancelado, nem reduzido, considerando que não teria evasão de sócios, de patrocinadores, diria que um clube aguenta dois ou três meses, no máximo", complementou.

CONTA MAIS
O cartola do Tricolor de Aço confirmou que a situação é para lá de delicada. Em 2019, o clube nordestino arrecadou quase R$ 155 milhões, enquanto a projeção para a atual temporada era de cerca de R$ 180 milhões.

"É um momento apreensivo no país, temos que pensar em como ajudar o país a superar essa fase difícil que, tenho certeza, será superada. Temos discutido modelos de contrato, de campeonato, impactos que vamos sofrer para passar por essa fase sem sofrer tanto", falou.

Foto: Divulgação - Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
"Está claro que é algo atípico, inesperado para qualquer clube que se planeja. Vamos ter que ajustar. Nosso projeto de faturamento nesse ano é de R$ 180 milhões, mas acho difícil que chegue em 200 ou até nesses R$ 180 milhões", avaliou o dirigente.

"Dobramos nos últimos dois anos nosso faturamento, pretendemos continuar crescendo. Se for algo rápido essa pandemia, o que não é indicado agora, até conseguiríamos manter o orçamento, mas acho difícil. Haverá queda não só do Bahia, mas de todos os clubes", completou.