Ponte fez o suficiente para merecer vitória sobre o Avaí

Embora jogasse apenas para o gasto, a Ponte foi merecedora do resultado e lidera a equilibrada SERIE B

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

A Ponte Preta soube aproveitar a irregularidade do time do Avaí pra cravar mais uma vitória no Campeonato Brasileiro da Série B, por 1 a 0, em Florianópolis.

Pelo menos até o desdobramento da rodada ela assume a liderança da competição com 17 pontos.

Embora jogasse apenas para o gasto, a Ponte foi merecedora do resultado.

Entrada do volante Dawhan, como companheiro de Luís Oyama na cabeça da área, deu mais consistência ao setor, e minimizou desconfiança que se tem pelo miolo de zaga.

Desta vez o lateral-esquerdo Lazaroni se preocupou com a marcação, diferentemente das últimas partidas quando havia se soltado ao ataque.

Até o chamado último terço do campo a Ponte usou objetividade no trato à bola, principalmente pelo início de construções de jogadas através do volante Luís Oyama.

Daí pra frente faltaram jogadas de penetração diante da instável zaga catarinense.

PEIXOTO

Atacante Bruno Rodrigues, que reassumiu a titularidade, ainda está fora de ritmo.

Centroavante Peixoto esteve apagado no jogo e reclamou injustamente da substituição.

Assim, o time dependia da lucidez do meia João Paulo e arrancadas de Apodi nas construções de jogadas, que na maioria das vezes terminaram em cruzamentos.

Apesar disso, a Ponte ameaçou a meta adversária em três ocasiões, duas delas através de Moisés. Uma ele finalizou nas mãos do goleiro Lucas; outra chutou pra fora.

PÊNALTI

Meia Luan Dias, que o substituiu, foi mais objetivo. Não fosse desvio de um adversário ele teria ampliado a vantagem para a Ponte, que antes disso havia sido presenteada com pênalti.

Pedro Costa, do Avaí, tinha a bola praticamente dominada no interior de sua área, se enrolou na jogada e calçou visivelmente Moisés aos 10 minutos do segundo tempo, em pênalti convertido por João Paulo.

AVAÍ ERROU PASSES

O Avaí abusou dos erros de passes, principalmente em bolas alongadas.

Treinador Geninho só não trocou o oscilante Daniel Amorim de sua peça ofensiva, na tentativa de revigorá-la, mas em vão.

Seus jogadores foram absorvidos pela marcação dos pontepretanos, notadamente nas incontáveis bolas cruzadas.

De prático, ao longo da partida, ele teve apenas duas chances.

A primeira quando Apodi se descuidou e deixou Valdívia livre, mas a cabeçada, após cruzamento, foi pra fora. Depois, já no segundo tempo, em chute de Daniel Amorim defendido pelo goleiro Ivan

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos