Defesa do Guarani falha demais e Avaí aproveita

Time catarinense vence em Campinas por 2 a 1

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Há um versículo bíblico com citação de que o salário do pecado é a morte. Pois a defesa do Guarani abusou de errar na tarde deste sábado em Campinas, e não há como contestar a vitória do Avaí por 2 a 1, resultado que distancia o time bugrino na briga pelo acesso neste Campeonato Brasileiro da Série B.

Se colocadas na ponta do lápis, as chances reais de gols do time catarinense foram maiores. Logo, poderia ter ampliado a vantagem inclusive em pênalti desperdiçado pelo atacante Renato, cujo chute passou sobre o travessão.

Getúlio abriu o placar para o Avaí aos 11 minutos. Rodrigão teve lucidez para servir Renato nas costas do lateral Pará. Aí, foi só ajeitar a bola para o companheiro completar.

Depois disso Getúlio, em cabeçada, perdeu gol, enquanto o Guarani só chegou ao gol de empate em cobrança de escanteio de Matheus Oliveira, para testada fulminante de Phillipe Maia, aos 40 minutos.

Como mandante, era natural que o Guarani propusesse o jogo, tomasse iniciativa. Porém sem capacidade de penetração diante de um adversário que se resguardava bem, encurtando os espaços.

MATHEUS ANJOS E RODRIGÃO

O erro de posicionamento do meia bugrino Matheus Anjos, recuando excessivamente para buscar a bolas, tirou uma das raras possibilidades de penetração, visto que é jogador rápido e hábil.

O Avaí contra-atacava comandado pelo meia-atacante Rodrigão, que descobriu nova função em campo como organizador.

Enquanto teve pernas, ele desequilibrou criando quase todos os lances de embaraços à defensiva bugrina.

O panorama não foi modificado no segundo tempo.

Logo no primeiro minuto, Rodrigão descobriu Getúlio na costa da zaga bugrina, o passe foi preciso, mas a finalização errada.

Torcedor bugrino ficou com o grito de gol entalado quando, no desdobramento de jogada pela direita, o atacante Bruno Mendes chutou a bola no travessão.

Todavia, defesa que falha demais desestabiliza o time. Erro de passe do lateral Kevin foi interceptado por Rodrigão, que serviu Renato. Aí, ele apenas deslocou a bola na saída do goleiro Agenor aos 18 minutos.

Depois foi a vez de Getúlio perder gol cara a cara, e Matheus Barbosa cabecear para fora.

Aquela altura o Guarani estava atordoado em campo, a ponto de o zagueiro Maia bobear, perder a disputa para Getúlio, resultando em pênalti cometido por Agenor, mas Renato perdeu aos 26 minutos.

KEVIN

Se as vaias dos torcedores bugrinos serviram para abater o lateral Kevin, teoricamente seria admissível preservá-lo, substituindo-o.

Se não houve abatimento, ele poderia ter permanecido, até porque o setor ficou vulnerável com o deslocamento de Ricardinho por ali.

O esperto treinador Geninho percebeu espaço para manobrar e aí sacou Getúlio para entrada do rápido Jones por ali. Conclusão: pelo menos mais duas chances reais foram criadas e desperdiçadas pelo lado esquerdo do ataque, uma com o próprio Jones e outra com Igor.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos