Série C: Paulo Roberto deixa futuro em aberto e revela proposta para deixar o São Bento

O contrato do treinador chegou ao fim e ainda a diretoria ainda não iniciou as conversas para renovar

por Agência Futebol Interior

Sorocaba, SP, 09 (AFI) - Com a cobrança da última penalidade no último sábado, no Estádio Rei Pelé, a vitória do CSA por 4 a 2, depois da vitória do Azulão no tempo normal por 1 a 0, somada a derrota em Sorocaba, e a eliminação na Série C, foi encerrado oficialmente o contrato do treinador Paulo Roberto Santos com o Esporte Clube São Bento. No entanto, hoje, a situação do técnico é de espera.

Ele falou com o Futebol Interior nesta segunda-feira, disse que tem uma proposta de um outro clube, além de outras sondagens, e que vai aguardar ainda um contato oficial da diretoria do time de Sorocaba, antes de definir seu futuro em 2018. Inicialmente falou do jogo contra o CSA:

“O São Bento mostrou força em Maceió para construir a vitória nos 90 minutos e elogiou o elenco montado. Dificilmente, vamos ter um grupo montado com tantas dificuldades, tão comprometido com a cidade e o clube como esse. Um grupo que tinha objetivos modestos no começo da Série C, mas que com o passar dos jogos foi criando uma perspectiva, expectativa de algo mais importante na competição, que viria a ser o acesso", afirmou.

Fim de um ciclo?
O treinador falou dos quatro anos à frente do São Bento em regime de nostalgia e usou o termo “fim de um ciclo”:

"Foram quatro anos de muitas lutas, alegrias e conquistas no São Bento. Como sempre falo, os atletas serão sempre os principais protagonistas. Estou encerrando aqui mais um ciclo de trabalho vitorioso a frente dessa gloriosa entidade. Em quatro anos foram cinco objetivos conquistados”, disse o treinador. Paulo Roberto falou do acesso a elite do Paulista, da vaga para Série D do brasileiro, da vaga para a Copa do Brasil, do acesso para Série C do Brasileiro e agora do acesso para a Série B do Brasileiro”, comentou.

Foto: Jesus Vicente
Foto: Jesus Vicente

“Ficam aqui, meus agradecimentos a todos os envolvidos e comprometidos com o clube e que sempre acreditaram em nosso trabalho. Mesmo nos momentos de adversidades que foram poucos, mas existiram; e um agradecimento especial a todos os funcionários do clube, para a comissão técnica. Sem eles nada disso seria possível. Agradeço ainda aos torcedores, representados ontem (domingo), por um bom número em nossa chegada de Maceió a Sorocaba, reconhecendo tudo que foi feito. Temos a consciência que não agradamos a todos, porém fica a certeza de termos proporcionados a felicidade a muitos”, frisou Paulo Roberto.

Uma proposta oficial
O treinador disse ao Futebol Interior que embora sejam várias sondagens sobre seu nome, neste final de competição da Série C, foi procurado oficialmente por um clube, o qual, ele optou por não falar o nome.

“Prefiro não citar esse clube que ainda está em atividade. Meu contrato com o São Bento terminou com o último jogo do Brasileiro e oficialmente o clube ainda não me procurou para fazer uma proposta nem para renovação ou para se planejar para o ano que vem. Pode ser que daqui para a frente possam surgir outras possibilidades”, disse Paulo Roberto.

Segundo ele, somente o Marcio (Dias, futuro presidente), e Xixo (Agacyr Maister, atual vice), adiantaram algo mas nada de oficial. “Eles estão envolvidos com a eleição. Mas oficialmente não temos mais vínculo com o clube. Vamos descansar um pouco pois esse foi um ano muito estressante e um segundo semestre muito trabalhoso e chega uma hora é preciso desligar um pouco para desligar as baterias”, argumentou o treinador.

O que definirá seu destino
Paulo Roberto disse que no futebol não é só a questão financeira que é determinante para definir questões como de um treinador.

“Futebol não é só questão financeira. Ela é importante sim, porque todo o profissional gosta de ser valorizados mas não determina a escolha onde vai se trabalhar. E só se define quando se sentar para conversar e chegar a um denominador comum”, analisou.

Como treinador sem vínculo com o clube, Paulo Roberto voltou a enfatizar que vai ficar no aguardo esperando propostas de trabalho.

“Lógico que também no São Bento, mas vamos esperar para iniciar conversas, e vou descansar e ver oque vai aparecer. E se o São Bento nos procurar, vamos conversar. Devo viajar a partir deste feriado, vou voltar, depois passar uns dias em Maceió, onde deveria ter ido no ano passado mas não foi possível, mas agora devo ir com a família e ficar uns cinco dias, aguardando as propostas que possam surgir e de propostas oficiais”, detalhou.

Foto: Jesus Vicente
Foto: Jesus Vicente

Crescimento em quatro anos
O técnico resumiu esse período que esteve no São Bento, onde chegou em novembro de 2013 para montar o time para a Série A2 de 2014.

“Eu estava no Santo André de 2014 a 2017 estivemos no clube e esse crescimento do São Bento foi uma realidade de lá pra cá no cenário paulista e brasileiro. A cada divisão que você sobe, estadual ou nacional, as dificuldades aumentam: a Série D era uma novidade para nós, depois veio a Série C que o clube não tinha disputado (nesses moldes), e entre os dez times do Sul, inclusive times que já tinha jogado a Serie B, nos classificamos, e obtivemos o acesso, o único deste bloco. Ou seja, o São Bento vem crescendo, mesmo como debutante”, destacou Paulo Roberto.

Estrutura do clube para a Série B
Sobre a Série B, o treinador disse que o São Bento terá, sim, muitas dificuldades, assim como era a Série D e a Série C para quem nunca tinha disputado (nos moldes atuais).

“Claro que para jogar a Série B, algumas coisas terão de serem acrescentadas no clube, que já vem se preparando para isso e para outra realidade. O São Bento terá de se adequar a algumas exigências que a diretoria já está a par, transformações que precisará fazer. Esse crescimento dentro do campo exige um crescimento fora e caminham lado a lado”, disse Paulo Roberto. Segundo ele, sobre a estrutura física, setores como fisiologia e outros o clube tem ciência disso e providências já estariam sendo tomadas neste sentido e serão levadas a público.

Bentão sem Paulo Roberto
Como todo profissional, Paulo Roberto admite que uma hora chegará ao fim seu ciclo no São Bento. E pode ser agora com quatro anos ou não. Tudo vai depender das conversas e das propostas. Mas como seria o Azulão sem o treinador que ajudou e foi um dos responsáveis pela elevação do nível e patamar do clube, tirando o centenário Bentão da Série A2 de São Paulo para a Série B brasileira, a um passo da elite nacional da bola ? Um profissional com uma atuação dinâmica dentro de campo com uma campanha muito vitoriosa; e fora dele, colaborando com sugestões para a melhoria da, antes deficitária infraestrutura do Azulão de Sorocaba.

“Eu não vejo como problema o fato de nós, alguma hora ter que deixar o clube e o São Bento apostar em outro profissional para dar sequencia a esse trabalho. A identificação que existe do clube comigo e vice-versa é pelo tempo de trabalho (quatro anos), pois ambas partes se conhecem muito bem. Mas a partir do momento que esse trabalho for encerrado, não vejo como problema o clube trazer outro profissional que possa dar sequencia ao que vem sendo realizado neste período”, finalizou