Sem oposição, suíço é reeleito presidente da Fifa até 2023

Gianni Infantino declarou nesta quarta-feira que acabou com os escândalos e a corrupção na Fifa

por Agência Estado

São Paulo, SP, 05 - Gianni Infantino foi reeleito nesta quarta-feira para a presidência da Fifa até 2023. Os membros das 211 federações que compõem a entidade deram mais um mandato para o dirigente suíço por aclamação, durante o congresso realizado em Paris, já que ele era o único candidato ao cargo.

Um advogado suíço de 49 anos, Infantino foi eleito pela primeira vez para comandar a Fifa em fevereiro de 2016, após a renúncia de Joseph Blatter.

O seu antecessor, também um suíço, deixou o cargo diante de um escândalo de corrupção na entidade. Agora, cumpre seis anos de suspensão por má conduta financeira.

SEM CORRUPÇÃO?
Antes mesmo de sua reeleição, Infantino declarou nesta quarta-feira que acabou com os escândalos e a corrupção na Fifa, apesar de vários membros do conselho da entidade terem sido alvo de acusações.

Reeleito, Gianni Infantino vai ficar na presidência da Fifa até 2023
Reeleito, Gianni Infantino vai ficar na presidência da Fifa até 2023
"Para quem me ama, para quem me odeia, hoje eu quero todo mundo", disse o suíço, que relembrou o cenário da sua primeira eleição ao cargo.

"Lembrem-se do estado da Fifa naquele congresso", disse Infantino.

"Os últimos três anos e quatro meses não foram perfeitos. Certamente eu cometi erros e tentei melhorar e fazer melhor, mas, hoje, em um dia de eleição, ninguém fala sobre crise. Ninguém fala em reconstruir a Fifa do zero. Ninguém fala sobre escândalos. Ninguém fala sobre corrupção".

Em 2016, uma geração de dirigentes das Américas do Norte e do Sul foi afastada do futebol depois que a Justiça da Suíça e dos Estados Unidos investigaram casos de corrupção. Mas na era Infantino, quatro confederações continentais perderam membros eleitos para o Conselho da Fifa por acusações de corrupção e má administração financeira.

FOI INVESTIGADO
O presidente também chegou a ser investigado pelo Comitê de Ética da Fifa pelo uso de aviões particulares. Além disso, alguns investigadores deixaram seus cargos na entidade.

Mas Infantino disse nesta quarta-feira para as 211 associações que compõem a Fifa que "invertemos a situação" em relação ao período em que Blatter esteve à frente da entidade.

"Essa organização passou de tóxica, quase criminosa, para o que deveria ser: uma organização que desenvolve o futebol, uma organização que se importa com o futebol. Nos transformamos em uma nova Fifa, uma organização que é sinônimo de credibilidade, confiança, integridade, igualdade e direitos humanos".