Blog do Ari: Creditem a Daniel Paulista boa parcela desta vitória do Guarani

Vitória inaugural tem que passar por reconhecimento o técnico bugrino

Blog do Ari mostra que Daniel Paulista colocou em prática a estratégia mais recomendada na estreia neste Paulistão 2022

Categorias: Colunas

Por: ARIOVALDO IZAC - -, 28/01/2022

FFUMFpjXEAAFCrq e1643348056538
Daniel Paulista, mandou bem - Thomaz Marostegan/Guarani FC

Campinas, SP, 28 (AFI) – Blog do Ari garante: Daniel Paulista é merecedor de crédito. No futebol há treinadores de retóricas eloquentes, mas colocam na prática conceitos obsoletos, ampliam histórico de resultados negativos e, apesar disso, vão sobrevivendo.

VEJAM MAIS DETALHES NO BLOG DO ARI !

Outros emergentes estudam o cenário à vista, traçam planificação supostamente mais viável para o momento, e contam com a obediência de seus jogadores para a praticidade daquilo que foi convencionado.


Foi exatamente isso que fez o comandante bugrino Daniel Paulista, ao colocar em prática a estratégia mais recomendada na estreia de sua equipe neste Paulistão, diante do São Paulo, na noite desta quinta-feira, em Campinas.

Portanto, qualquer avaliação sobre a vitória do Guarani por 2 a 1 diante do São Paulo tem que passar necessariamente pelo reconhecimento de como Daniel Paulista projetou o pré-jogo e como poderia surpreender um adversário individualmente mais qualificado.

Pois Daniel Paulista escalou o seu time com três volantes, exigiu que os atacantes de beirada Júlio César e Yago fizessem seguidas recomposições para redução de espaços às incursões dos laterais Rafinha e Reinaldo, do São Paulo, e surpreendentemente contou com o centroavante Lucão pesando uns dez quilos a menos comparativamente à chegada no clube, ano passado, o que possibilitou maior mobilidade em campo.

lucao brak comemora gol blog do ari e1643348918885
Blogo do Ari: golaço de Lucão do Break (Foto – GFC)


SÃO PAULO TRAVADO

Como a volta do elenco são-paulino pós-férias ocorreu apenas no último dia dez, natural se prever em campo um time sem a habitual intensidade, mas com a compensação de valorizar a posse de bola, mesmo que em ritmo lento.

Aí, se até a primeira metade do primeiro tempo o Guarani ficou encurralado em seu campo de defesa, marcando forte e picotando o jogo, depois saiu da toca ao adotar velocidade em contra-ataques.

Foi assim que Lucão fez cruzamento da esquerda e o lateral-direito Diogo Matheus cabeceou mal e desperdiçou chance real de gol dos bugrinos aos 28 minutos.

Já aos 38 minutos, Lucão arriscou chute de longa distância e colocou a bola no ângulo esquerdo do goleiro Volpi.

REDUÇÃO DA INTENSIDADE

Após o intervalo, o São Paulo não mudou o estilo de valorizar a posse de bola.

Já o Guarani, que evitava brecha de penetração ao adversário nas proximidades de sua área, passou a dar sinais de desgaste físico e já não marcava com a mesma intensidade.

Aí, quando se suspeitava da sustentação do placar, eis que o ampliou através de cobrança de falta aos 21 minutos, ocasião em que o lateral-direito Diogo Mateus colocou a bola sobre a barreira são-paulina.

Observa-se aí erro de posicionamento do goleiro Volpi, ao ficar no canto oposto, quando o adequado seria optar pelo meio do gol e assim correr ou saltar na bola com mais chances de defesa.


PÊNALTI REVISADO

Se o torcedor são-paulino se assanhou quando o árbitro Luiz Flávio de Oliveira marcou pênalti de Ronald sobre Alisson, dois minutos depois, foi frustrada a expectativa de gol porque o VAR exigiu revisão do lance e o árbitro reconsiderou a decisão.


Apesar disso, em decorrência da boa movimentação do polivalente Patrick, do São Paulo, que havia substituído o travado Nikão, uma bola cruzada da esquerda encontrou a cabeça do atacante Calleri, que se antecipou ao zagueiro Derlan para que o placar fosse reduzido: Guarani 2 a 1.


Depois disso a partida se arrastou até os 51 minutos do segundo tempo, sem que o Guarani sofresse risco. 

Confira também: