Ponte Preta teve sabedoria e ganhou do Ituano. Deu Samba!

Samba é força de expressão. A Macaca ganharia o jogo, como ganhou na noite desta terça-feira, mesmo atuando em Itu. Teve sabedoria e mereceu vencer.

Foi antecipado neste espaço que, na hipótese de enfrentar aquele decadente Ituano que jogou em Tombos, na derrota por 1 a 0

Categorias: Colunas

Por: ARIOVALDO IZAC - -, 08/06/2022

Ituano Pegorari fernando roberto IFC
Ponte Preta ainda exigiu boas defesas de Pegorari. Foto: Fernando Roberto - IFC

Campinas, SP, 8 (AFI) – Ponte Preta contou com três aspectos preponderantes para chegar à vitória reabilitadora nesta Série B do Campeonato Brasileiro, diante do Ituano, por 2 a 1
.

Foi antecipado neste espaço que, na hipótese de enfrentar aquele decadente Ituano que jogou em Tombos, na derrota por 1 a 0 para Tombense, semana passada, poderia dar ‘samba’.

Samba é força de expressão. Ganharia o jogo, como ganhou na noite desta terça-feira, mesmo atuando em Itu.

Se aquele Ituano já estava fragilizado naquela ocasião, pior ainda desfalcado de alguns de seus principais jogadores, como o zagueiro Bernardo, meia Gérson Magrão e atacante Rafael Elias, o Papagaio.

LÉO SANTOS

Não bastasse isso, o plano encorajado da Ponte Preta durante o primeiro tempo, de sair para o ataque, foi recompensado.

Sabiamente ela explorou exatamente o ponto mais fraco deste time do Ituano, que é o zagueiro Léo Santos.

De certo a comissão técnica pontepretana deve ter mostrado o quão propício seria explorar a fragilidade deste zagueiro.

Em postagem anterior, sem a devida percepção de que o treinador Hélio dos Anjos optasse por esquema ofensivo, foi sugerido que, ao explorar contra-ataques, enfiassem bola para o atacante Danilo Gomes, mais centralizado, sobre Léo Santos.

Pois Dos Anjos surpreendeu ao sair pro jogo contra o Ituano e assim movimentou as três peças de seu ataque.

Foi o suficiente para que as limitações de Léo Santos, ao chegar atrasado na disputa de bola com Fessin, provocasse pênalti aos nove minutos, convertido em seguida através de Lucca.

TOMBENSE

Dias atrás publiquei post lembrando o quão fácil foi o atacante Cleiton, do Tombense, ganhar na corrida de Léo Santos, em lance que originou o gol da vitória do time mineiro.

Claro que o treinador Hélio dos Anjos, antenado sobre vulnerabilidade de equipes adversárias, de certo mostrou o vídeo do citado lance aos seus jogadores, já antevendo o enfrentamento de seu atacante Lucca com Léo Santos, que ganhou a jogada, marcou o segundo gol pontepretano e ali estava desenhada a vitória sobre o Ituano, aos 24 minutos.

FESSIN

A ausência do volante Felipe Amaral implicou em diminuição daquela forte pegada na cabeça da área do time pontepretano, com a escalação do substituto Fraga.

Apesar disso, o Ituano não incomodava.

A rigor, durante o primeiro tempo, só chegou ao seu gol após cobrança de escanteio, com vacilo do zagueiro Thiago Oliveira, possibilitando testada certeira de Aylon.

Ainda na Ponte Preta, a boa presença do meia-atacante Fessin, pelo lado esquerdo, inibiu as costumeiras avançadas do lateral-direito Pacheco, do Ituano, num time que insistia em alongar a bola e presenteava os pontepretanos.

PONTE RECUOU

Natural que em vantagem no placar, a Ponte Preta recuasse as suas linhas de marcação, até porque o Ituano voltaria para o segundo tempo na base do tudo ou nada.

Seja por influência do treinador Mazola Júnior ou intuição dos jogadores, o certo é que o Ituano rodou mais a bola após o intervalo, teve predomínio de boa parte do segundo tempo, mas faltava eficiência de seus atacantes para complemento de jogadas, mesmo quando defensores pontepretanos falhavam, como o zagueiro Thiago Oliveira na saída de bola, ocasião em que João Victor cruzou na cabeça de Chrigor, cuja testada parou na defesa do goleiro Caíque França, da Ponte Preta.

O mesmo Chrigor estava desatento em conclusão, após bola cruzada por Pacheco e falha do zagueiro Fábio Santos.

CHANCES DA PONTE

Quando a Ponte Preta voltou a equilibrar a partida, após os 25 minutos do segundo tempo e com o time oxigenado, por duas vezes teve chances para ampliar a vantagem.

Primeiro quando Ramon Carvalho deixou de arrematar para optar pelo passe a Fessin, interceptado pelo goleiro Pegorari; depois em chute do atacante Echaporã, que a bola chocou-se no travessão.

Portanto, méritos do time pontepretano que teve sabedoria para explorar o ponto vulnerável do Ituano, para agora respirar na classificação.

Sem a pressão que sofria, agora a equipe pode buscar fórmula para consolidar trajetória mais equilibrada na competição.

Confira também: