Morre o supervisor de futebol Tuta Orsi

Sepultamento será às 10h desta terça-feira

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Cinco dias antes do primeiro turno da eleição municipal de Campinas, ano passado, telefonei ao amigo Tuta Orsi, pra trocar ideia sobre política, e, com a costumeira sinceridade, ele já vaticinava que parte significativa dos vereadores locais seria reeleita.

Acertou na mosca, assim como era bom observador de futebol para indicações de jogadores, como foi o caso ao sugerir o centroavante Ailton para o Guarani, após ter assistido à um jogo do atleta pelo Santa Cruz, mas vinculado à empresa Parmalat, o que obrigou o então presidente bugrino Beto Zini a fazer suas habituais 'engenharias' de bastidores para trazer o jogador, em transação que envolveu a ida do volante Fernandão para o Inter (RS).

Pois na manhã desta segunda-feira fomos surpreendidos com a notícia do falecimento de Adílson Orsi, 80 anos de idade, conhecido no futebol como Tuta Orsi, pelas passagens em clubes do interior paulista na função de supervisor.

AMADORISMO

A rigor, bem antes do ingresso no futebol profissional, no Bragantino, no final da década de 80, Tuta foi participante ativo do amadorismo campineiro no Flamenguinho do Cambuí, que tinha como principal destaque o ponteiro-esquerdo Arturzinho, em time comandado por Paulo Pedro da Silva, o Nã.

Depois participou de equipes respeitáveis montadas pelo Sousas, que contava como goleiro o relojeiro Gamba e o centroavante Mauro Vital.

Bola e estabelecimento comercial andaram juntos com Tuta.

PADARIA

A velha guarda campineira bem se lembra da padaria Pão de Ouro, na Avenida Francisco Glicério, na década de 60.

Pois Tuta, seu irmão Jarbas Orsi - já falecido - e Paulão (desculpem a falta de identificação do nome dele) eram sócios daquele estabelecimento, que atraía políticos e principalmente desportistas.

A veia comercial encaminhou Tuta Orsi, posteriormente, para corretagem de imóveis, mas foi no futebol profissional que defendia intransigentemente os seus conceitos, mesmo que confrontasse com quem dele divergisse.

SUPERVISOR

E isso se repetiu como supervisor de Guarani, Ponte Preta, Mogi Mirim, Ituano, Rio Branco e outra vez no Bragantino, até decidir se distanciar das obrigações em clubes, porém jamais das rodinhas cuja pauta era futebol & futebol.

E pouco antes da pandemia da Covid-19, Tuta Orsi era o maior influenciador nas discussões sobre 'bola' no ponto de táxi situado na esquina da Rua Bernardino de Campos e Avenida Francisco Glicério, em Campinas.

Pela postura íntegra, de ter sido amigo leal dos amigos, Deus lhe reservou uma morte enquanto dormia.

Habitualmente, por volta das seis e meia da manhã, já acordava. Com a demora para se despertar, sua esposa dona Elza foi conferir o ocorrido, e já o encontrou sem vida nesta segunda-feira.

O sepultamento dele está marcado para as 10h desta terça-feira, no Cemitério da Saudade, em Campinas.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos