Que reviravolta heim Ponte Preta! Escapou da degola e ainda briga por vaga.

No futebol tudo é possível, mas convenhamos que é difícil acreditar que a Ponte vai perder justamente para o time que ela desmanchou

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Quem ousou prognosticar isso ou aquilo nos jogos que marcaram o retorno do Paulistão, quebrou a cara literalmente.

O filósofo de botequim que caracteriza como 'novo normal' essa abertura gradual das atividades ainda durante a pandemia do coronavírus, pregou-lhe uma peça.

Aquilo que parecia impossível virou de ponta cabeça, e lhe deixa perplexo.

Você, pontepretano, que mandou recado ameaçador a dirigentes sobre suposta queda do time, como vai se explicar com o novo cenário que mostra até possibilidade de classificação às quartas-de-final do Paulistão?

O que estou citando?

Acorde aí, meu chapa!

Com a vitória por 2 a 0 sobre o Novorizontino, na noite desta quarta-feira, da odiosa lanterna a Ponte subiu três posições e agora só aguarda que seus parceiros na zona da degola se estrepem.

Ou melhor, meu caro pontepretano: diga a quem se dispuser ouvi-lo que a Ponte já escapou.

MATEMÁTICA

Como assim? E a matemática?

Na ponta do lápis a Ponte já deve contabilizar mais três pontos diante do Mirassol, correto?

Ora, não fosse assim, não teria sentido ela ter desmanchado o adversário do próximo domingo.

Talvez esse seja um dos raros momentos que se permite a imprudência de contar com o ovo antes da galinha botá-lo, certo?

De mais a mais, nem precisa ser matemático pra enxergar que confrontos diretos de concorrentes implicam em um empurrando o outro pra trás.

Inter de Limeira, por exemplo, com onze pontos, pega Oeste e Ferroviária.

O cenário lembra refrão de música quando 'um sobe o outro desce'.

Água Santa, com dez pontos, pode até passar pelo Mirassol, mas passa pelo Palmeiras?

Na hipótese de empatar com a Ponte na pontuação, perde nos critérios de desempates.

Mesmo que o Botafogo surpreenda o Guarani, vai arrancar três pontos diante do Bragantino?

Prezado pontepretano: se a pandemia do corona tirou-lhe do normal para contextualizar citadas hipóteses de contas, elas estão aí pra acabar com a sua insônia.

SEM TÁTICA

Esperava deparar com análise tática nesta vitória da Ponte, heim?

Pois caiu do cavalo.

Todavia o espaço abaixo está aberto pra você opinar.

Nestas múltiplas linhas, cabe apenas citação de que aquela Ponte assustada e perturbada até a derrota no último dérbi por 3 a 2, repetiu o histórico apenas 17 minutos contra o Novorizontino.

O gol de cabeça do atacante Bruno Rodrigues, em contra-ataque puxado por Apodi, foi santo remédio pra trazer a calma pro time jogar bola.

Claro que não houver mudança da água pro vinho, mas pelo menos mostrou o suficiente para vencer, embora ressalte-se dúvida se o pênalti que originou o gol de João Paulo realmente ocorreu.

GUARANI

Se o futebol é jogado e o lambari pescado, aquele bugrino juramentado que sugeria que o seu time amolecesse na partida desta quinta-feira contra o Botafogo, de certo reflete na tolice sugerida.

Ele e tantos outros contavam que bastaria o Palmeiras jogar pá de cal no asfixiado Corinthians e pronto.

Pois o 'morto' Corinthians ressurgiu revigorado e ávido pra beliscar vaga às quartas-de-final se o Guarani 'der mole'.

Mudou tudo. A água começou a bater na canela e o bugrino que havia 'surtado' se despertou, se arrepende da bobagem falada com intenção de ferir a rival Ponte Preta.

Agora ele aguarda que o seu velho Bugre carimbe a classificação diante do Botafogo, na noite desta quinta-feira, pra não depender de pontos na rodada derradeira contra o São Paulo.

Ou o bugrino tem dúvidas de que o agora galopante Corinthians vai se esbarrar diante do Oeste?

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos