Que Deus dê forças para restabelecimento de Vadão!

Que Deus dê forças para restabelecimento de Vadão!

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Um vírus invisível tirou a nossa alegria há semanas. Difícil não confessar que por momentos entramos em estado depressivo ao assistir pessoas que, aparentemente do nada, vão embora. E um atrás do outro por causa desta covid-19.

Oswaldo Alvarez, o Vadão
Oswaldo Alvarez, o Vadão

No meio desta tempestade surge a notícia de grave doença do treinador Oswaldo Alvarez, o Vadão, que nada tem a ver com a maldição do vírus.

Ele é um dos raros profissionais benquistos por bugrinos e pontepretanos, clubes que tem relevantes folhas de serviços prestados.

Matéria do portal da casa detalha diagnóstico de um tumor em dezembro passado, durante exame de rotina.

A partir daí está entregue nas mãos de médicos e de uma corrente de oração de amigos, em plano terrestre e do andar de cima.

De certo Vadão receberá as bençãos do criador, pois se alinha àqueles que amparam amigos da bola, tudo sem alarde para que não o rotulem como praticante de filantropia.

Orienta-se biblicamente por Provérbio 31:10, com citação textual de que 'quem tem poder ou influência deve defender quem está oprimido'.

BRASIL DE OLIVEIRA

E daqueles que lhe estenderam as mãos ao longo da carreira, a gratidão é eterna.

Saudoso jornalista Brasil de Oliveira, que tinha trânsito livre no Mogi Mirim na gestão do saudoso presidente Wilson Barros, indicou Vadão para cuidar da preparação física daquela equipe na década de 80, e pela propensão ao cargo de treinador ele decolou na carreira quando a chance surgiu.

Pois quando da morte do jornalista em 1998, discretamente, como de hábito, Vadão cuidou do sepultamento e amparou a mãe dele, solitária, que morava em Mogi Mirim.

De certo Vadão até reprova essa confissão, porque a preferência foi pelo anonimato.

Todavia, o espírito de gratidão dele precisa ser revelado neste momento em que se ampliam as correntes de orações pró restabelecimento.

SAUDOSOS DA BOLA

Saudosos amigos pontepretanos Carlão Perna de Pau e Zé do Pito, agora se juntam aos igualmente falecidos preparadores de goleiros bugrinos Dimas Monteiro e Sidney Poli na corrente de fé para cura da doença.

Também saudosos atletas bugrinos Mauro Cabeção e Zé Carlos ampliam a fileira por bençãos, visto que foram companheiros de clube de Vadão, quando o espaço no time principal foi encurtado na concorrência com Zenon.

Por isso, embora tivesse recursos medianos como meia de armação, não havia como se encaixar naquele bloco de talentosos que fizeram história com a camisa bugrina.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos