Meia do São Paulo é mais um a homenagear presidente eleito

Assim como muitos outros atletas já fizeram, Diego Souza declarou apoio a Jair Bolsonaro

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 05 (AFI) – O primeiro gol do empate por 2 a 2 entre São Paulo e Flamengo no último domingo teve uma manifestação de cunho político feita por Diego Souza, meio-campista do Tricolor. O atleta fez uma homenagem ao presidente eleito, Jair Bolsonaro.

Após o gol, Diego correu em direção a uma das câmeras e, além de bater continência, fez um gesto símbolo da campanha do político, levantando os dedos indicador e polegar, simbolizando quem dispara com uma arma.

“Realmente cada um tem a sua opinião em termos de política. Respeito a de todo mundo, espero que respeitem a minha”, disse Diego Souza após o jogo.

NÃO CONCORDARAM
O São Paulo se pronunciou sobre o acontecido e afirmou que a manifestação do atleta não representa a posição da instituição.

Diego Souza declarou apoio a Jair Bolsonaro
Diego Souza declarou apoio a Jair Bolsonaro

Raí, diretor de futebol do São Paulo e responsável pela contratação de Diego Souza, fez fortes criticas ao mesmo político na última semana, quando deu entrevista ao jornal francês L’Équipe. Raí é irmão do ex-meia Sócrates, muito famoso pelo forte envolvimento político que teve durante sua carreira.

“Eu estava preocupado, mas tinha uma pequena esperança. Depois do resultado, fiquei triste e tive muito medo vendo as reações das pessoas que celebravam a vitória de um candidato que já manifestou valores absurdos e repugnantes”, afirmou Raí.

NA ONDA
Diego Souza está longe de ser o primeiro a apoiar Bolsonaro. Só no futebol brasileiro, atletas como Felipe Melo, do Palmeiras, Jadson e Roger, do Corinthians, e até o próprio Atlético-PR, do dirigente Mário Celso Petraglia, homenagearam e/ou se posicionaram a favor do presidente.

O clube paranaense chegou a entrar em campo com uniforme amarelo por duas vezes e apenas o zagueiro Paulo André se recusou. O time foi punido com uma multa de R$ 70 mil, mas por conta de não ter avisado a CBF com antecedência e não pelo cunho político da manifestação.

O meio-campista Lucas Moura, do Tottenham, já havia feito o mesmo, através de sua conta no twitter, pouco antes do primeiro turno das eleições. Nomes de outros esportes, como Wallace, da seleção masculina de vôlei, também apoiaram o presidenciável.

Ronaldinho gaúcho publicou uma foto com o número 17 na camisa da seleção brasileira. O número faz referência à legenda do candidato nas eleições. Neymar foi muito criticado por ter curtido uma publicação de Alan Patrick em apoio ao presidente. Hoje, Alan, ex-Flamengo, defende o Shakhtar Donetsk.

Esta não é a primeira vez que jogadores se manifestam politicamente a favor de políticos. Em 2014, o próprio Neymar gravou um vídeo em apoio ao então candidato do PSDB Aécio Neves. O mesmo foi feito por Ronaldo Fenômeno. Bernardinho, então técnico da seleção brasileira de vôlei, também apoiou o candidato derrotado no segundo turno das eleições de 2014 para Dilma Rousseff (PT).

 
 
" />