Paulista A3: Rio Preto ganha ação na Justiça contra técnico consagrado no Interior

Técnico alegava ter direito a ressarcimento, mas terá que pagar multa o Verdão da Vila Universitária

por Agência Futebol Interior

São José do Rio Preto, SP, 30 (AFI) - Em decisão disponibilizada no último dia 4 de junho, a 1ª Vara do Trabalho de São José do Rio Preto, condenou o técnico Luiz Carlos Ferreira dos Santos, o Ferreirão, a pagar ao Rio Preto Esporte Clube, multa por litigância de má-fé de aproximadamente R$14.000,00.

A indenização se baseia no artigo 479 da CLT ante a rescisão antecipada do contrato, e restituir as despesas prévias periciais antecipadas pelo clube rio-pretense no valor de R$ 880,00. Além disso, Ferreira foi condenado a pagar os honorários ao perito judicial no custo de R$ 1.700,00.

LAUDO CONTRARIA PEDIDO
Na ação trabalhista o ex-técnico do clube pretendia receber do clube da Vila Universitária a importância de R$ 700 mil, utilizando-se de um contrato montado, cuja falsidade restou escancarada pelo laudo pericial produzido pelo Perito Judicial nomeado pelo Poder Judiciário.

Rodrigues, à esquerda, e Malvezzi comandam o Rio Preto
Rodrigues, à esquerda, e Malvezzi comandam o Rio Preto

Diante da existência de indícios da ocorrência do crime de uso de documento falso, restou determinado em sentença a expedição de ofício ao Ministério Público Federal para a adoção das medidas que entender cabíveis em face do ex-treinador.

AÇÃO DESCABIDA
Instado a se manifestar, o presidente do clube, José Eduardo Rodrigues assim pontuou:

“A Justiça prevaleceu, já vi absurdos na vida jurídica, mas esta ação é a mais completa maluquice com a qual me deparei”.

Já Itamar Rubens Malvezi, presidente do Conselho Deliberativo rio-pretense, considerou a ação um ato maluco sem pé nem cabeça, sem o mínimo de veracidade.

"Externo minha satisfação com a decisão judicial, considerando-a justa e verdadeira, disse o dirigente”.

TEM MAIS
O advogado Gustavo Goulart Escobar, responsável pela defesa do clube na ação trabalhista, assim se manifestou.

”Desde o início sabíamos que se tratava de uma aventura jurídica, baseada unicamente em um documento claramente falso, montado, com o único intuito de fazer o ex-técnico se enriquecer ilicitamente em detrimento do clube.

O documento falso, desmantelado pela perícia judicial, previa um prêmio de R$ 150 mil ao ex-técnico em caso de acesso da Série A3, para a Série A2, enquanto que os prêmios pagos pela Federação Paulista de Futebol (FPF), aos clubes que subissem naquele ano de 2016 era menor que esse valor.

"O 1º colocado recebeu R$ 100 mil e o 2º colocado R$ 70 mil. Um verdadeiro absurdo que foi devidamente reconhecido pela Juíza do Trabalho ao julgar o processo , motivando, inclusive, a condenação por litigância de má-fé e a expedição de ofício ao Ministério Público Federal para apuração do crime", finalizou Escobar.

JURÍDICO COMPETENTE
O presidente esmeraldino José Eduardo Rodrigues votou à tona e elogia e reconhece as sucessivas vitórias jurídicas obtidas pelo advogado Gustavo Escobar, atribuindo as a sua competência, lucidez e grande preparo jurídico.

"Temos um grande departamento jurídico, de muita valia e muito competente. Já o presidente do Conselho, Itamar Malvezzi, elogiou o legado extraordinário da formação de uma equipe jurídica da melhor qualidade.

A administração do nosso presidente é coisa fantástica em todos os aspectos e principalmente quando se refere a um ato jurídico e o jeito de administrar uma empresa e um clube por sua grande experiência", disse Malvezzi.

PASSAGEM RELÂMPAGO
Ferreira passou pelo Rio Preto em 2017
Ferreira passou pelo Rio Preto em 2017


Em 2015, na ocasião Ferreira chegou a ser anunciado, mas depois dispensando por conflito de ideias com a direção, antes mesmo da montagem do elenco e início dos treinos.

Já em 2017, na Série A2, e, na tentativa de salvar o Glorioso da Vila Universitária do rebaixamento fato que não aconteceu, Luiz Carlos Ferreira ficou no cargo e nas quatro linhas durante dois jogos.

DOIS JOGOS
Na oportunidade, foram dois tropeços. No dia 1º de abril em casa no estádio Anísio Haddad, derrota por 2 a 1, para a Portuguesa de Desportos. Uma semana depois sofreu uma sonora goleada 4 a 0, para o Água Santa, em Diadema. Foi a gota d´água para a sua saída.

esta foi uma passagem ruim de Ferreirão pelo clube, mesmo porque ao longo da carreira ele colecionou mais de 20 acessos pelo futebol paulista com clubes como Matonense, Marília e Santo André. Estes triunfos lhe valeram, inclusive, a alcunha de Rei do Acesso.