Careca relembra título histórico do Guarani no Brasileiro de 78

"O Guarani era um time moderno. Atuávamos com marcação no campo todo. Cada um sabia sua função tática", disse Careca

por Agência Estado

Campinas, SP, 05 - O ano de 1978 foi marcado por grandes esquadrões no futebol paulista. O São Paulo ganhou o Campeonato Brasileiro de 77 em fevereiro daquele ano, diante do Atlético-MG, no Mineirão. O Palmeiras era apontado como o melhor time do Estado na década, com três conquistas estaduais e duas nacionais, enquanto o Corinthians contratava Sócrates para fazer dupla com Palhinha e tentar o bicampeonato regional após jejum de 22 anos.

Mas quem se destacou naquela temporada quarenta anos atrás e ganhou títulos foram dois times baratos formados por jogadores desconhecidos: o Santos, com os jovens talentosos Nilton Batata, Juary, Pita e João Paulo, a primeira geração dos Meninos da Vila, campeão paulista; e o Guarani, o primeiro campeão brasileiro do interior (Campinas), com Capitão, Renato, Careca, Zenon e Bozó.

CARECA RELEMBRA TIME CAMPEÃO

"O Guarani era um time moderno. Atuávamos com marcação no campo todo. Cada um sabia sua função tática e a executava durante os 90 minutos. Tínhamos um preparo físico espetacular, aliado ao talento de vários jogadores", disse Careca, camisa 9, que, com 17 anos, se destacava pelo oportunismo, técnica e poder de finalização.

"O Guarani tinha uma zaga forte, que marcava muito. Os laterais Mauro e Miranda sabiam apoiar. E o Neneca era um goleiro experiente, grande demais para a época e seguro", lembrou o eterno artilheiro bugrino. "O Zé Carlos (volante) tinha experiência (ex-Cruzeiro), era o cérebro do time. Toda segunda-feira ele reunia o grupo na casa dele para a gente lavar a roupa suja e planejar as jogadas que seriam executas", contou Careca, que defendeu a seleção brasileira nas Copas do Mundo de 1986 e 1990.

VELOCIDADE NO ATAQUE

"E do meio pra frente, o time era muito velocidade, com variação de jogadas, domínio de bola e finalização. Capitão e Bozó pelas extremas. O Renato (Pé Murcho) fazia dupla comigo no ataque e o Zenon era quem armava tudo no meio e batia falta como ninguém", acrescentou.

Careca lembrou que o Guarani chegou a ser menosprezado em Porto Alegre antes do jogo com o Internacional pela terceira fase.

"Diziam que era ataque de riso por causa de Capitão, Careca e Bozó." Os gaúchos foram surpreendidos com derrota por 3 a 0 no Beira-Rio, com direito a um gol antológico do meia Zenon. "Como o Internacional adiantou a marcação, lancei para mim mesmo e fiz um dos gols mais bonitos do ano", relembrou Zenon, que três anos mais tarde jogaria pelo Corinthians.

DOIS GOLAÇOS DE ZENON

Zenon voltaria a se destacar na semifinal, ao marcar dois golaços, um de falta, contra o Vasco, no Maracanã, na vitória por 2 a 1, com 101 mil vascaínos nas arquibancadas. "Acho que esse foi o maior jogo que fizemos naquele brasileiro", disse Careca. "Saí no segundo tempo com o joelho inchado de tanto pontapé que levei", disse o atacante, que anos depois foi fazer dupla com Maradona no Napoli, da Itália, depois do São Paulo.

Por fim, o título brasileiro veio após duas vitórias sobre o Palmeiras. A primeira, no Morumbi, teve participação direta de Careca, que cavou pênalti. "O Leão defendeu chute em dois tempos e eu encostei nele e falei algumas coisas. Ele se irritou e me empurrou. O Arnaldo (Cesar Coelho, árbitro) viu e marcou. Expulsou o Leão." Zenon cobrou sem chances para Escurinho, atacante que foi para o gol, pois o time rival havia feito duas substituições possíveis. Em 32 jogos, o Guarani ganhou 20, empatou oito e perdeu quatro vezes. Careca e Zenon foram os artilheiros, com 13 gols.

TODOS OS JOGADORES QUE ATUARAM NA CAMPANHA DE 1978

Goleiro: Neneca (veio do Náutico-PE) - João Roberto (categorias de base) - Birigui (categorias de base)

Lateral-Direito: Mauro (categorias de base) e Alexandre (veio do Fortaleza-CE)

Lateral-Esquerdo: Miranda (categorias de base), Cuca (veio do Remo-PA) e Tadeu (categorias de base)

Zagueiro: Gomes (veio do extinto Saad de São Caetano do Sul), Edson (veio do São Bento), Silveira (ex-Fluminense, veio do Operário-MS) e Odair (categorias de base)

Volante: Zé Carlos (veio do Cruzeiro-MG) e João Carlos (veio do Matusubara-PR)
Meia Armador: Zenon (veio do Avaí-SC), Manguinha (categorias de base) e Claudinho (categorias de base)

Ponta-de-Lança: Renato (categorias de base) e Gersinho (categorias de base)

Ponta-Direita: Capitão (veio do XV de Piracicaba)
Centroavante: Careca (categorias de base), Adriano (categorias de base) e Antônio Carlos (categorias de base)

Pontas-Esquerda: Bozó (veio do Noroeste) e Macedo (emprestado pelo Palmeiras)

 
 
" />