Clubes de Campinas: assusta o desestímulo dos torcedores

Se os clubes não empolgam, provocando até desgosto ao torcedor, a resposta é a fuga dos estádios. Isso serve tanto para Guarani como para a Ponte Preta.

A triste constatação é que a bola dos clubes de Campinas murchou e a maior evidência tem sido o público deles enquanto mandantes

Categorias: Colunas

Por: ARIOVALDO IZAC - -, 18/05/2022

torcida guarani brinco de ouro e1652848241621
Guarani tem sempre mesmo número de torcedores. (Foto: Thomaz Marostegan/Guarani FC)

Campinas, SP, 17 (AFI) – Fosse viva, a torcedora símbolo da Ponte Preta, Maria Conceição Rodrigues, estaria completando 84 anos de idade neste 18 de maio.

Ela fez parte do período dourado do futebol de Campinas, quando os estádios Brinco de Ouro e Moisés Lucarelli ficavam cheios e discutia-se futebol nos quatro cantos da cidade.

A triste constatação é que a bola dos clubes de Campinas murchou e a maior evidência tem sido o público deles enquanto mandantes de seus jogos, pois não têm atraído sequer três mil espectadores. Lamentável.

FRACASSO NO DÉRBI

Oito de maio passado, Dia das Mães, eis que um bugrino de quatro costados reúne a família em restaurante na hora do almoço, diverte-se em goladas de chope, se empanturra em prato com massas e ronca o resto da tarde.

Dérbi? Que derbi?

Permitam-me, em respeito, não divulgar o nome dele.

Outro bugrino outrora não menos ferrenho passeava pela França enquanto o seu time jogava um pobre futebol contra a Ponte Preta, para um público de apenas 5.924 pagantes, em torcida única.

Entre pontepretanos, até parecia jogo contra o Botafogo de Ribeirão Preto, não contra o maior rival Guarani.

Como se vê, responsáveis pelo futebol de ambos os clubes conseguiram aplicar ‘sonífero’ nos torcedores, que repousam e, pelo andar da carruagem, vão permanecer adormecidos por mais um relativo período.

DESGOSTO

Se os clubes não empolgam, provocando até desgosto ao torcedor, a resposta é a fuga dos estádios.

Pra quem atua na mídia é constrangedor direcionar críticas rotineiras às respectivas equipes, embora necessárias.

Críticas, embora com sentido construtivo, provocam desestímulo no torcedor para acompanhamento de jogos em estádios.

Já que a linha editorial da coluna é direcionada a Guarani e Ponte Preta, natural que o recomendável seria atuações convincentes, refletidas em resultados positivos e campanhas seguras.

Isso refletiria em aumento de visualizações de publicações, possibilidade de se atrair mais propaganda e estímulo a torcedores participarem assiduamente na seção de comentários.

DESESTÍMULOS

Na prática, desestímulo de comentários de internautas tem sido flagrante, exceto aqueles parceiros vitalícios que dão vida à proposta de pluralidade de opiniões neste espaço.

Diante do cenário, que dirigentes de Ponte Preta e Guarani tenham humildade para reconhecer incontáveis erros cometidos, que se sensibilizem às vozes de seus torcedores e alerta da mídia para que o futebol campineiro reencontre o caminho de acertos.

Confira também: