"Vamos, vamos, Chape"! Torcida do Atlético Nacional dá aula de solidariedade à Chape

O time colombiano fez uma linda homenagem no Atanásio Giradort nesta quarta-feira, horário que aconteceria a final da 'Sula'

por Agência Futebol Interior

Chapecó, SC, 30 (AFI) - O Atlético Nacional esqueceu toda e qualquer rivalidade e se tornou um verdadeiro exemplo, uma luz nessa escuridão que foi o acidente aéreo envolvendo a delegação da Chapecoense, à caminho de Medellín, local da decisão da Copa Sul-Americana. O time colombiano prestou uma linda homenagem aos mortos e seus familiares no Estádio Atanásio Girardot, que recebeu mais de 40 mil torcedores. Somados aos que não entraram, esse número chega a 100 mil.

O evento começou com uma bela abertura da mestre de cerimônia: "Está noite o mundo inteiro está em luto. Na noite passada, os jogadores da Chapecoense partiram com a convicação da vitória e com a esperança de serem campeões. Desde sua cidade, a Chapecoense percorreu o caminho de homens vitoriosos. No mesmo caminho, um acidente aéreo os levou ao céu. Luto pelas 71 pessoas que morreram no acidente. É um dia de muita tristeza para todo o esporte. Todos espiritos saíram do terreno de futebol para jogar no céu. Homenagem aos jogadores, jornalistas, tripulantes, e famílias, que choram. Momento de muita dor no futebol. Obrigado por estarem no Estádio Atanásio Girardot".

Torcida do Atlético Nacional faz bonito na homenagem à Chapecoense
Torcida do Atlético Nacional faz bonito na homenagem à Chapecoense

A homenagem teve início com a banda de guerra do exército nacional, que deram uma volta no campo, tocando seus instrumentos. Em seguida, os jogadores do Atlético Nacional entraram em campo, cada um com um buque de flores em mãos. A torcida, então, foi uma verdadeira inspiração. Aos gritos de "Vamos, vamos, Chape", tomaram conta do estádio, um pouco antes dos hinos de Colômbia e Brasil serem tocados.

LINDA MENSAGEM DOS COLOMBIANOS

À pedido da mestre de cerimônia, os torcedores, muitos vestidos de branco, iluminaram o estádio com as luzes dos celulares durante um minuto de silêncio, acompanhado com a marcha fúnebre. Logo que acabou, a torcida voltou a cantar, até que José Serra, ministro das Relações Exteriores ganhou voz.

"Momento de muita tristeza para todos nós. Solidariedade que aqui encontramos, que traz cada um de vocês, colobianos e torcedores do Atlético, nos oferece um pouco de consolo. Uma luz na escuridão, bem quando todos estamos tentenado comprender o imcompreensível. Os brasileiros jamais esquecerão a forma que os colombianos se comportaram perante a esse terrível desastre que interrompeu um sonho heroico da equipe da Chapecoense, que vivia um sonho de fadas. Nunca esqueceremos", disse Serra, durante o evento que contou ainda com o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon, e demais autoridades da Colômbia.

"É uma homenagem sem precedentes. Não esperava por isso. Vim aqui para buscar os corpos, acompanhar os feridos. Não embarquei por compromissos como prefeito. Desde que cheguei na Colômbia, fui muito bem recebido. Somos um time pequeno, nunca tivemos tanta gente gritando: Chape, Chape. A Chapecoense veio aqui com um sonho, mas saiu como uma lenda, um mito do futebol. Muito obrigado pelo povo colombiano, é uma solidariedade que alivia muito o nosso sofrimento", disse o prefeito.

A homenagem continuou com muitos aplausos, gritos da torcida, e fechou com o nome de cada um dos 71 mortos no acidente. A mestre de cerimônia ainda passou a mensagem: "Estamos contigo, Chape".