Preocupado em não tomar gols, São Paulo recebe ABC na Copa do Brasil

Os resultados estão aparecendo, mas a alta média de gols tomados faz com que o técnico Rogério Ceni tente a todo momento

A máxima de que não se pode tomar gol em casa em disputas de mata-mata será usada nesta quarta-feira pelo São Paulo, que recebe o ABC, a partir das 19h30, no Morumbi

Por: Agência Futebol Interior, 08/03/2017

0002050228788 img

São Paulo, SP, 08 – A máxima de que não se pode tomar gol em casa em disputas de mata-mata será usada nesta quarta-feira pelo São Paulo, que recebe o ABC, a partir das 19h30, no Morumbi, pelo jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil. Apesar dos oito jogos de invencibilidade na temporada, o sistema defensivo vem sendo questionado pelo excesso de gols sofridos. No ataque, o time está cumprindo bem o seu papel.

“O torcedor está criticando, mas é melhor receber críticas vencendo e convencendo no ataque. A gente vem se cobrando para que se possa tirar essas dúvidas, pois temos elenco forte e bons jogadores em cada posição”, explica o lateral-direito Bruno, principal jogador em número de assistências do atual elenco, com 14 passes para gol.

acertar a marcação e o posicionamento. Só que, para o duelo contra o ABC, o treinador não poderá contar com o zagueiro Maicon, que está com uma entorse no tornozelo, e com o goleiro Sidão, vetado por causa de uma lombalgia.

Preocupado em não tomar gols, São Paulo recebe ABC na Copa do Brasil

Preocupado em não tomar gols, São Paulo recebe ABC na Copa do Brasil

Vão entrar no time o zagueiro Breno, que formará dupla com Rodrigo Caio, e o goleiro Denis. Para Bruno, a intenção é diminuir os erros na defesa. “A gente vem trabalhando para minimizar os erros ali atrás e não tomar gols. Na frente temos feito um bom papel. Claro que é melhor corrigir na vitória do que na derrota. Temos de ter tranquilidade para que a gente consiga ajustar isso logo”, avisa o lateral.

A primeira partida do São Paulo depois da pré-temporada foi no dia 5 de fevereiro. Pouco mais de um mês depois, o time já atuou nove vezes e fará seu décimo confronto em 32 dias. Por causa da maratona de jogos, Ceni não tem conseguido trabalhar o sistema defensivo da forma como gostaria.

Para o zagueiro Diego Lugano, o time logo vai se encaixar na defesa. “A gente não gosta de sofrer gols, mas também temos de ser inteligentes emocionalmente para não dramatizar essa situação. Cabe a nós desconfiar mais de cada bola perto da área. De uma coisa estou certo: quando chegar nos jogos decisivos, nos clássicos, a defesa vai voltar a ser o que foi no ano passado.”