Que o Guarani trate de se defender para barrar o Corinthians

Time perde para o Bragantino na condição de visitante

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Bugrinos pegaram o ‘reio’ e foram logo dando umas lambadas no treinador Osmar Loss após derrota na estreia para o Bragantino por 1 a 0, na noite de sábado, em Bragança Paulista.

Calma parceiros Herald e Luiz Otto. A prudência recomenda que se dê um tempo razoável ao treinador para os devidos ajustes, embora reconheça-se que cometeu erros antes e durante a partida.

Avaliou equivocadamente que pudesse sair de peito aberto contra o Bragantino, ignorando que o adversário está mais ajustado pra trabalhar a bola, e tem transição rápida.

Logo, o recomendável seria o Guarani resguardado e com opção de contra-ataque, em vez de tentar encarar o adversário a nível de igualdade.

Apesar desse arriscado conceito, ao atacar o Guarani poderia ter saído à frente do placar, até porque três reais chances de gols foram criadas durante o primeiro tempo.

ENXERGAR O JOGO

Loss não teve discernimento pra buscar alternativas em duas situações que se configuraram durante a partida contra o Bragantino.

Felipe Amorim, atacante bugrino de beirada pela direita, levava nítida vantagem sobre o lateral Léo Rigo, mas o treinador adversário, Marcelo Veiga, teve percepção da necessidade de duplicar a marcação e o risco foi eliminado.

Faltou a Loss a iniciativa de apenas mudar Felipe Amorim de lado, até porque havia buraco nas costas do lateral-direito Itaqui que avançava frequentemente.

Loss também não teve percepção da sobrecarga sobre o lateral-direito Lenon, que levava desvantagem na marcação, sem que cobertura mais apropriada fosse feita no setor.

CONTRA O CORINTHIANS

Por dever de ofício Loss assistiu ao empate do Corinthians contra o São Caetano por 1 a 1, e de certo deve ter extraído conclusões óbvias.

Se optar por enfrentá-lo em igualdade de condições na quarta-feira, a tendência natural será o seu time ‘dançar sem música’, mesmo considerando-se a transição lenta dos corintianos.

O exemplo de forte marcação aplicada pelo São Caetano para arrancar o empate é o caminho indicado na tentativa de o Guarani não ser surpreendido.

Se contra o Bragantino houve vacilo defensivo bugrino na bola aérea, contra o Corinthians o erro não pode ser repetido.

Além do gol de cabeça do zagueiro Henrique, pelo alto o Corinthians foi perigoso em incontáveis lances neste domingo.

Portanto, que o Guarani adote postura de humildade, tenha sabedoria para se defender, valorizar a posse de bola, e usar principalmente a velocidade de Felipe Amorim sobre o instável lateral-esquerdo corintiano Danilo Avelar.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos