Ponte Preta sabe o que precisa fazer para ganhar do Santos: usar o ‘fator Majestoso’

"Aqui dentro de casa, o time precisa se superar, se doar ao máximo e vencer. Não importa como, se jogando bem ou não"

por Agência Futebol Interior

Campinas, SP, 11 (AFI) – A Ponte Preta não tem outra alternativa se não vencer o Santos, nesta quinta-feira, às 17 horas, no estádio Moisés Lucarelli, pela 27.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Ameaçada pelo rebaixamento e vindo de derrota para o Cruzeiro, por 2 a 1, de virada, o time campineiro quer fazer valer o ‘fator Majestoso’, apelido do estádio, sempre destacado pelo técnico Eduardo Baptista. No primeiro turno, na Vila Belmiro, houve empate sem gols.

Desde que voltou ao clube, há duas semanas, ele não esconde que o planejado é sempre brigar por vitória em casa e somar um ou outro ponto fora.

“Nós temos que jogar junto com a torcida. Aqui dentro de casa, o time precisa se superar, se doar ao máximo e vencer. Não importa como, se jogando bem ou não. Vale gol contra e até de juiz” – afirmou Baptista.

Ponte Preta quer ser forte na marcação, como foi na vitória sobre o Flamengo por 1 a a 0
Ponte Preta quer ser forte na marcação, como foi na vitória sobre o Flamengo por 1 a a 0

IGUAL CONTRA O FLAMENGO
Ele cita como exemplo do que deseja ver diante do Santos tudo que aconteceu com a vitória sobre o Flamengo, por 1 a 0, na última apresentação do time em casa.

“Foram mais de 11 mil torcedores e jogando do nosso lado. Esta vibração vai para dentro de campo e cabe aos jogadores absorverem esta energia e correr o máximo possível” – concluiu.

Aquela vitória sobre o time carioca livrou o time do rebaixamento. Mas continua perto dos ameaçados, com 31 pontos, e pode até terminar a rodada na degola caso não tenha uma vitória diante do Santos.

Dirigentes apostam no apoio da torcida para vitória da Macaca
Dirigentes apostam no apoio da torcida para vitória da Macaca
DIRETORIA FEZ PARTE DELA
Fora de campo, a diretoria fez sua parte. Repetiu a promoção de ingressos feita contra o Flamengo, com bilhetes a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

Os três mil ingressos destinados à torcida adversária já acabaram terça-feira e cambistas já pedem até R$ 100 nos arredores do estádio.

Mas a preocupação da diretoria é com a presença da torcida pontepretana. A expectativa é de que perto de 15 mil torcedores empurrem o time para mais uma vitória dentro do Majestoso. Normalmente estes ingressos são comprados no dia do jogo, mas já foram vendidos quase cinco mil. A atitude do presidente Vanderlei pereira foi muito bem recebida.

UMA DÚVIDA
No time, está confirmada a volta de Jeferson à lateral-esquerda após cumprir suspensão automática. O seu substituto em Minas Gerais foi Artur, que atuou apenas três minutos e sofreu uma lesão muscular. Jeferson é lateral direito de origem, mas tem desempenhado bem a função pelo outro lado do campo.

A maior dúvida fica mesmo para o meio campo. Élton está suspenso por ter sido expulso e Wendel vetado com uma lesão muscular na perna esquerda. A entrada de Fernando Bob está definida, porque ele começou na reserva contra o Cruzeiro.

Jean Patrick e Danilo Barcelos continuam como titulares e a última vaga pode ficar com o volante Naldo, de características mais defensivas, acostumado a atuar na frente da defesa.

Objetivo é brigar por todas as bolas
Objetivo é brigar por todas as bolas
NOVA OPÇÃO
De repente até Jadson aparece como opção. Embora sem ritmo de jogo, por voltar de contusão, ele tem treinado normalmente e pode começar jogando e ‘dar o máximo’ e depois ser substituído.

“Talvez não suporte os 90 minutos, mas estou em condições de jogar” – garantiu o volante, curiosamente, escolhido para a coletiva após o treino final da manhã.

Na defesa, nenhuma outra mudança, muito menos no ataque com Emerson Sheik e Lucca, artilheiro do time com 10 gols. Após o treino da manhã, apenas um recreativo, os jogadores iniciaram o regime de concentração.

A PONTE PRETA deve jogar com:

Aranha;
Nino Paraíba, Marllon, Luan Peres e Jeferson;
Naldo, Fernando Bob, Jean Patrick e Danilo Barcelos;
Emerson Sheik e Lucca.