F1: Pietro Fittipaldi festeja chance e Haas exalta o seu 'pedigree de campeão'

O piloto de 22 anos já ganhará sua primeira chance no carro do time norte-americano neste ano, no dia 27, nos testes de pneus

por Agência Estado

Campinas, SP, 09 (AFI) - Confirmado como novo piloto de testes da equipe Haas, o brasileiro Pietro Fittipaldi comemorou nesta sexta-feira a primeira oportunidade na Fórmula 1, seguindo os passos do avô Emerson. O piloto de 22 anos já ganhará sua primeira chance no carro do time norte-americano neste ano, no dia 27, nos testes de pneus da Pirelli a serem realizados em Abu Dabi, após o GP do dia 25.

"Estou extremamente feliz de conquistar a vaga de piloto de testes da Haas F1 Team", celebrou Fittipaldi. "Não vejo a hora de estar com as mãos no volante do Haas VF-18 em Abu Dabi. Quero carregar esta experiência para ter o máximo de aprendizado em 2019 e espero um dia conseguir uma vaga de piloto de titular na F-1 no futuro", disse o brasileiro, sem esconder suas ambições na equipe.

Pietro Fittipaldi festeja chance e Haas exalta o seu 'pedigree de campeão'
Pietro Fittipaldi festeja chance e Haas exalta o seu 'pedigree de campeão'
Chefe de equipe da Haas, Günther Steiner exaltou o potencial do piloto e não deixou de fazer referência ao sobrenome poderoso de Pietro. "Ele traz um pedigree de campeão e vencedor para o nosso time, com títulos nas categorias de base de fórmulas. Mais recentemente, ele também acumulou experiência e bom desempenho nas provas da Indy e agora nós estamos felizes de poder dar ao Pietro seu primeiro teste em um F-1", declarou. "Como parte de seu papel nos testes e o feedback que ele nos dará ao longo da temporada 2019, não tenho dúvida de que ele contribuirá muito para o crescimento e desenvolvimento de nosso time na Fórmula 1."

Pietro faz sua estreia como novo integrante da Haas neste fim de semana, no GP do Brasil. No Autódromo de Interlagos, em São Paulo, ele já está sendo familiarizado com a equipe e seus membros. Vai acompanhar todo o trabalho do time ao longo dos três dias e depois fará o mesmo em Abu Dabi, na etapa que vai encerrar o campeonato.

O brasileiro chega ao time norte-americano com a experiência recente de disputar seis etapas da Fórmula Indy neste ano, pela equipe Dale Coyne Racing. Sua participação só não foi maior por causa do acidente sofrido no início de maio. Ele sofreu fraturas nas duas pernas durante treino das 6 Horas de Spa-Francorchamps, prova válida pelo Mundial de Endurance (WEC). Seria a estreia do brasileiro na competição. Com as graves lesões, que exigiram cirurgias, ele perdeu a oportunidade de disputar a tradicional 500 Milhas de Indianápolis, prova que seu avô venceu duas vezes.

Vindo de uma das famílias mais tradicionais do automobilismo brasileiro, Pietro se iniciou no esporte no kart, em 2006, nos Estados Unidos. Cinco anos depois, estreou em categorias de turismo, ainda em solo norte-americano. Foi o melhor estreante no Nascar Whelen All American Series. Em seguida, começou sua trajetória em carros de fórmula, na Europa, em 2013. Na Inglaterra, disputou a F-4 nacional. Também competiu na Fórmula Renault, da qual foi campeão em 2014 com 10 vitórias em 15 corridas.

Passados dois anos, faturou três pódios na Fórmula 3 Europeia. Foi ainda campeão do MRF Challenge de Fórmula 2000 e da World Series, no ano passado, com 10 pódios e um recorde de 10 poles na temporada. Ele fez a estreia na Indy em abril deste ano e esteve nas cinco provas finais do campeonato, após se recuperar das fraturas nas pernas. Seu melhor resultado foi um nono lugar.

Na Fórmula 1, Pietro vai atuar numa equipe ainda nova na categoria. O time norte-americano, fundado por Gene Haas, entrou no campeonato de 2016. Sua base fica na Carolina do Norte, justamente onde o brasileiro mora, nos Estados Unidos. A equipe vem obtendo bons resultados na F-1 para uma iniciante, mas recebe críticas por receber forte suporte da Ferrari. Além do motor, a Haas conta com auxílio técnico do time italiano.

A proximidade entre as duas equipes já rendeu comentários de que a Ferrari influenciaria a escolha dos pilotos titulares da Haas, o que os norte-americanos negam. No ano que vem, o monegasco Charles Leclerc, um dos titulares da Haas neste campeonato, vai substituir o finlandês Kimi Raikkonen na Ferrari.

 
 
" />