Ex-treinador do Corinthians tem futuro indefinido e recebe sondagens

No comando do Al-Ittihad, Fábio Carille ocupa a 3ª colocação e está próximo de conquistar uma vaga na Champions League da Ásia

por Agência Futebol Interior

São Paulo, SP, 23 (AFI) - Próximo do término de seu contrato com o Al-Ittihad, da Arábia Saudita, o treinador brasileiro Fábio Carille, ex-Corinthians, ainda não tem um futuro defino. Com uma campanha de destaque no clube, atualmente na terceira colocação do campeonato nacional, o técnico vem recebendo sondagens de outros clubes, porém, nenhum brasileiro.

ABERTO

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
O ex-comandante do Corinthians valorizou o desempenho de sua equipe na temporada. No ano passado, o treinador chegou para livrar o clube do rebaixamento e uma temporada depois, está próximo de garantir a classificação para a Liga dos Campeões Asiáticos.

"Meu contrato aqui termina em junho. O Ittihad tem preferência até 30 de abril, já tivemos conversas e eles querem a continuidade do trabalho. Se até 30 de abril eles não exercerem a preferência, no dia primeiro de maio estarei livre para negociar com quem quiser. Há muita sondagem aqui do mundo árabe e voltar para o Brasil também é sempre bom. Estou com as portas abertas para ouvir propostas, mas tudo está caminhando para que eu continue mais um pouco por aqui", revelou Carille.

GRANDE FASE

Campeão brasileiro pelo Timão, Fábio Carille está em sua segunda passagem pelo futebol asiático, onde já havia comandado o Al-Wehda. O treinador, que tem contrato até o dia 1 de maio, elogiou a estrutura do Ittihad e a temporada que seus comandados estão fazendo.

"Há alguns anos o Ittihad não figura entre os primeiros colocados. Nós chegamos na última temporada com a equipe próxima da zona do rebaixamento e conseguimos escapar. Mudamos a mentalidade e tornamos os atletas mais profissionais. Quando iniciamos esta campanha, nosso objetivo era chegar até a 5ª posição, pois o clube enfrenta problemas financeiros, mas estamos satisfeitos com a época", afirmou.

"Eu vejo o intercâmbio de forma positiva desde que acrescente e leve algo inovador. É sempre importante ter peças, pois não adianta fazer salada de frutas só com laranjas. Nós perdemos muito espaço aqui por conta das nossas licenças e conversei com o Chamusca que precisávamos fazer bons trabalhos para conquistar outros mercados", contou.