Athletico-PR tentará provar que há vida sem Tiago Nunes no Brasileirão

Depois de conquistar títulos da Copa Sul-Americana e da Copa do Brasil, Rubro-negro perdeu alguns de seus principais jogadores

por Agência Futebol Interior

Curitiba, PR, 07 (AFI) - O Athletico-PR iniciará o Campeonato Brasileiro ainda tentando provar que há, sim, vida sem Tiago Nunes. O, hoje, técnico do Corinthians marcou história no clube rubro-negro com o bicampeonato paranaense (2018 e 2019), a Sul-americana de 2018, a Copa do Brasil de 2019 e a antiga Copa Suruga de 2019. Sem falar no 5º lugar do Brasileirão do ano passado.

Dorival Júnior, o substituto de Tiago Nunes, terá a missão de manter a rotina de alegria dos torcedores. É verdade que 2020 começou com vice na Supercopa do Brasil, mas o Athletico ainda tem Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão.

O novo treinador rubro-negro busca um grande título na carreira, mesmo tendo dirigido clubes de expressão como Santos, São Paulo, Flamengo, Palmeiras, entre outros. No currículo há a Série B com o Vasco (2009), dois Campeonatos Paulistas (2010 e 2016) e a Copa do Brasil (2010) com o Santos e a Recopa (2011), com o Internacional.

O problema é que, além de Tiago Nunes, o Athletico também perdeu jogadores que fizeram nome no clube como Léo Pereira, Renan Lodi, Bruno Guimarães, Marco Rubén, Marcelo Cirino, Rony e Robson Bambu.

Santos é o destaque do Athletico-PR
Santos é o destaque do Athletico-PR
FOCO!
Mas é preciso deixar tudo isso para trás e olhar adiante. A estreia no Brasileirão será contra o Fortaleza neste sábado, às 19 horas, no Castelão, na capital cearense. Na rodada seguinte, o Athletico fará o primeiro jogo na Arena da Baixada, dia 12 de agosto, às 19h15, contra o Goiás. O Furacão entra motivado após a conquista do Campeonato Paranaense.

"O Athletico nos últimos dois anos tem se destacado muito bem e com certeza isso aumenta o nível de exigência. O Athletico entra na disputa com o objetivo de chegar o mais alto possível na tabela", disse o goleiro Santos.

TIME BASE: Santos; Adriano, Thiago Heleno, Lucas Halter e Abner; Wellington, Léo Cittadini e Marquinhos Gabriel; Nikão, Carlos Eduardo e Bissoli.