Conselheiros do Guarani têm mais é que exigir satisfação

E quem errou barbaramente apenas pede desculpa e fica tudo por isso mesmo? Promessa de contratação de até dez jogadores se necessário é postura de quem sai pela tangente

Torcedor cobra é trabalho com competência e explicações porque foram contratados atletas de nível técnico baixo ao Guarani

Categorias: Colunas

Por: ARIOVALDO IZAC - -, 09/06/2022

ricardo moises presidente guarani e1658802347634
Ricardo Moisés ficou nas promessas de reforços. (Foto: Thomaz Marostegan/Guarani FC)

Campinas, SP, 8 (AFI) – Por vezes, laços de amizade entre dirigente e funcionário de clube se sobrepõem à natural hierarquia em que a regra básica deveria ser ‘manda quem pode e obedece quem tem juízo’.

Quando predomina afinidade, o nível de cobrança não tem a devida proporção, ou o dirigente – sem domínio do tema bola – é ‘engolido’ por argumentos do subalterno.

Aparentemente o bom relacionamento do presidente do Guarani, Ricardo Moisés, com o superintendente de futebol Michel Alves implica em freio na cobrança mais dura sobre o inaceitável capítulo de erros do comandado.

CONSELHO DELIBERATIVO

Todavia, conselheiros do clube estão de olhos bem arregalados sobre a péssima campanha da equipe no Campeonato Brasileiro da Série B, e isso induziu o presidente do órgão, Marcelo Depícoli Dias, à procedente decisão de publicar edital de convocação de reunião extraordinária dos membros na próxima terça-feira, a partir das 19h.

Na pauta, cobrança de explicações do CA (Conselho de Administração) e Superintendência de Futebol sobre a péssima campanha da equipe na competição, e expectativa sobre medidas a serem tomadas visando imediata reação.

RICARDO MOISÉS

Se as respostas do presidente Ricardo Moisés ficarem circunscritas àquelas da entrevista coletiva pós-goleada (veja o video!) sofrida para o Operário, ainda serão vagas.

Citação de trabalho dobrado não indica caminho.

Torcedor cobra é trabalho com competência e explicações porque foram contratados atletas de nível técnico bem inferior às exigências do futebol do Guarani.

E quem errou barbaramente apenas pede desculpa e fica tudo por isso mesmo?

Promessa de contratação de até dez jogadores se necessário é postura de quem sai pela tangente.

Contratações precisam ser pontuais e para se refazer avaliações equivocadas de Michel Alves.

Se o Guarani não dispõe de um primor de equipe entre os titulares, convenhamos que, em última análise, deveria se encaixar entre as oito principais agremiações da Série B.

Aí você retruca: se é tudo isso, por que encontra-se na lanterna da competição?

TREINADOR

Guarani carece de treinador que saiba extrair o máximo do potencial técnico de cada jogador, com o devido encaixe tático, coisa que nem Daniel Paulista, nem Marcelo Chamusca conseguiram.

Se na Série B convive-se com atletas que mesclam virtudes e defeitos, cadê o treinador com sabedoria para explorar virtudes?

Já citei incontáveis vezes que o conjunto de estatura e impulsão do centroavante Lukão recomendam ensaio em jogadas bem de fundo de campo e com cruzamentos pra trás, com finalidade de que a bola se ofereça de frente para ele, enquanto o zagueiro adversário fica de lado.

Exatamente neste estilo, quantas vezes essa jogada tem sido repetida ao longo de partidas?

Diante do Operário, nenhuma vez.

BRUNO JOSÉ

Nos últimos jogos tem-se intensificado cobrança sobre o rendimento do atacante Bruno José.

Na prática, resta saber se há um plano de jogo para que ele possa ser explorado de maneira mais produtiva?

Se o atleta une velocidade e o drible, cadê combinações de jogadas com avanço do lateral-esquerdo Matheus Pereira também fazendo o fundo de campo, em vez de insistir basicamente na diagonal?

E por que o meia Giovanni Augusto não encosta no setor para que seja dada continuidade à jogada?

Como ninguém encosta, Bruno José alça a bola, geralmente rechaçada pela defesa adversária.

O que se vê, na prática, é Giovanni Augusto fazendo em campo apenas aquilo que dá na telha, por vezes recuando excessivamente para iniciar jogadas, por vezes se afundando como se fosse centroavante.

Posicionamento dele precisa ser bem definido.

RECOMPOSIÇÃO

É incompreensível, no Guarani, seguidas recomposições dos atacantes de beirada.

Esta postura provoca tremendo desgaste deles, de forma que antes da metade do segundo tempo ficam esgotados e acabam substituídos.

Afora isso, são questionáveis escalações e frequentes utilizações de alguns jogadores questionáveis pela torcida, sem que haja intromissão da superintendência de futebol.

Enfim, são temas para se discutir pra valer e aguardar uma luz que possa resultar em caminho de recuperação do clube.

Confira também: