Blog do Ari: O que esperar das reposições de 'peças' no Guarani?

Há margem para que o Guarani tenha acréscimo de rendimento em relação à temporada passada?

O treinador Daniel Paulista procura elevar o moral do atacante Maxwel, sinalizando que ele possa se sair bem no Guarani. Veja no Blog do Ari !

Categorias: Colunas

Por: ARIOVALDO IZAC - -, 24/01/2022

Gua Thomaz Marostegan 01 ori e1652584347579
Daniel Paulista: nova missão. (Foto: Thomaz Marostegan / Guarani)

Campinas, SP, 24 – Blog do Ari analisa. Há margem para que o Guarani tenha acréscimo de rendimento comparativamente à temporada passada?

PARTICIPE COM COMENTÁRIOS NO BLOG DO ARI. CLIQUE AQUI !

Como reagiria o treinador Daniel Paulista a uma pergunta como essa, sem enrolação?

No meu tempo de repórter – quando se tinha liberdade pra perguntar e direito a réplica – a entrevista ganhava consistência de uma forma ou de outra.

Hoje, como assessores de imprensa funcionam como parapeito ao entrevistado, tudo mudou.

Pergunta-se sobre ‘A’ e, por vezes, o entrevistado responde sobre ‘B’, sem direito à sequência de interpelação sobre o respectivo assunto.

Resumindo: a entrevista fica no freezer.

Seja como for, pelo que se depreende, o treinador Daniel Paulista procura elevar o moral do atacante Maxwel, sinalizando que ele possa mostrar no Guarani aquilo que você, torcedor bugrino, ainda não viu.

EXEMPLOS

Futebol tem dessas coisas. Exemplos estão aí, aos montes, pra se conferir.

Quem daria um tostão furado ao meia Claudinho, quando foi jogar no Bragantino, após ter caído em desgraça na Ponte Preta?

Dizem que o futebol tem as suas razões que a própria razão desconhece.

Basta mirarem em exemplo ainda vivo do bugrino sobre a passagem do meia Régis pelo clube.

Quem apostaria que se transformasse no principal atleta da equipe, após retrospecto de irregularidade no Cruzeiro, quando sequer se firmou como titular?

YAGO

Atacante de beirada Yago, que passou a integrar ao elenco bugrino, tem histórico de longo período de jejum de gols, mas a suposta compensação tem sido a característica de assistente de goleador, com jogadas de velocidade pelos lados do campo.

Está aí, portanto, atribuição à comissão técnica bugrina de insistência no trabalho de finalização, a fim de que o atleta possa ter melhor aproveitamento.

Situação semelhante aplica-se ao jovem atacante Matheus Souza, marcado por desperdício de claras oportunidades de gols, quando teve chances de atuar na equipe principal.

DEFESA E MEIO DE CAMPO

Embora bem recomendado, ainda é uma incógnita o encaixe do meia Lucas Venuto na equipe bugrina.

Já o trabalho de contenção, atribuído aos volantes Bruno Silva e Rodrigo Andrade, terá a necessária consistência, assim como não se prevê queda de qualidade no sistema defensivo, em que apenas o zagueiro Thales é o desfalque.

Pelo contrário: a lógica indica ganho de qualidade com a chegada do goleiro Maurício Koslinski, visto que Rafael Martins e Gabriel Mesquita não transmitiam confiança.

Confira também: