Apesar da fase do São Paulo, Rodrigo Caio comemora 'ano mais especial da carreira'

Zagueiro conquistou o inédito ouro olímpico com a Seleção Brasileira, ele se mostra esperançoso para próxima temporada do Tricolor

Zagueiro conquistou o inédito ouro olímpico com a Seleção Brasileira, ele se mostra esperançoso para próxima temporada do Tricolor

Por: Agência Futebol Interior, 18/12/2016

0002050215127 img

São Paulo, SP, 18 – Apesar de o São Paulo ter feito uma péssima temporada, o zagueiro Rodrigo Caio não pode reclamar do ano de 2016. Mesmo com o time tricolor em baixa, ele se destacou individualmente. Foi titular na conquista do inédito ouro olímpico da Seleção Brasileira e esteve presente nas convocações do técnico Tite da equipe principal.

“Sem dúvida, foi o ano mais especial da minha carreira, de muitas conquistas e aprendizado. Individualmente, foi o meu melhor ano. Tive uma grande evolução e me firmei mais no São Paulo. Também tive uma temporada inesquecível na seleção”, afirmou o jogador em entrevista ao site do São Paulo.

De férias após o time tricolor terminar na 10.ª colocação do Campeonato Brasileiro, Rodrigo Caio se mostrou esperançoso para o próximo anos, especialmente pela chegada do ex-goleiro Rogério Ceni, novo técnico do clube.

Rodrigo Caio foi campeão olímpico com a Seleção Brasileira (Foto: William Lucas/Inovafoto)

Rodrigo Caio foi campeão olímpico com a Seleção Brasileira (Foto: William Lucas/Inovafoto)

“Planejamos que as coisas irão mudar com a chegada do Rogério Ceni a partir da próxima temporada. Juntos, vamos recolocar o São Paulo no caminho dos títulos”, acrescentou. “Não podemos brigar na parte debaixo da tabela. Temos que brigar pelo título sempre e acredito que teremos uma mentalidade diferente com o Rogério porque ele tem história no clube. A torcida nos apoiará ainda mais em 2017 e acredito que será um ano de muitas alegrias”.

JOVEM E EXPERIENTE
Apesar da pouca idade, completou 23 anos em agosto, Rodrigo Caio bateu a marca de 200 jogos com a camisa do São Paulo. Em princípio, ele evita falar sobre uma transferência para o mercado europeu e demonstra estar feliz no clube que o revelou no futebol.

“O ano começou com as noites mágicas de Libertadores, com mais de 50 mil no Morumbi, e vivemos o sonho de chegar na final porque a nossa equipe estava bem na competição. Mas, infelizmente, não conseguimos. Depois veio o ouro olímpico, que foi a maior alegria da minha vida. Foi histórico e ficaremos marcados para sempre com esta conquista tão difícil. Batalhamos muito para conquistar a medalha. E também tive as convocações para a Seleção principal, que é o sonho de qualquer jogador. Felizmente consegui realizar”, lembrou.