Para clarear os horizontes, Ponte Preta adota otimismo em reunião com a FPF

À espera de definição do Paulista, Macaca tem encontro virtual com a entidade na próxima sexta-feira

Publicado em .

À espera de definição do Paulista, Macaca tem encontro virtual com a entidade na próxima sexta-feira

Campinas, SP, 04 (AFI) - A Ponte Preta tem o fim desta semana para tentar clarear os horizontes em relação ao futuro do Campeonato Paulista.

Na próxima sexta-feira, 05 de maio, Macaca tem reunião virtual com a Federação Paulista de Futebol (FPF) para estudar a possibilidade de retomada dos treinamentos, ainda sem data prevista em decorrência do aumento no número de óbitos no estado.

"Nós temos uma reunião na próxima sexta-feira e pode apontar alguma perspectiva de calendário, né? Tinha o acordo para voltar todo mundo a treinar no mesmo período, mas a realidade das cidades é diferente", declarou o presidente Sebastião Arcanjo, ao microfone da Rádio Central de Campinas.

Tiãozinho, à diretoria, será o representante da Ponte na reunião - Álvaro Júnior / AA Ponte Preta
Tiãozinho, à diretoria, será o representante da Ponte na reunião
"Algumas já estão em um estágio de flexibilização do isolamento e pode ser que comecem a se preparar primeiro que Ponte Preta e Guarani, por exemplo", acrescentou.

CAI OU NÃO?

Tiãozinho, por outro lado, acredita que a vídeo conferência não deve tratar especificamente das questões de possíveis mudanças no regulamento do Paulistão.

O time campineiro, inclusive, é um dos principais interessados, haja vista ser o atual lanterna, com apenas sete pontos em dez jogos disputados.

"Esse assunto do rebaixamento eu não sei se vai ser discutido. A gente não teve muitas informações de regulamento ou não. Aparentemente, esse assunto não vai entrar na pauta. Eu soube que, no Rio Grande do Sul, não vai ter rebaixamento. Parece que, em Minas Gerais, o pessoal está discutindo essa regra", pontuou o dirigente.

"Há a questão de alguns times voltarem a treinar antes do que outros. Alguns elencos foram desmontados. Então os clubes precisam contratar. O Santo André não tem nem lugar para treinar, pois o estádio abriga um hospital. Isso pode provocar uma distorção", fechou o presidente.