Filho da Zona Norte, Wilsinho marcava último gol pela Lusa há 44 anos

Após passagem pelo time do Canindé, ponta esquerda ainda jogou no Corinthians e no Juventus

Publicado em .

Após passagem pelo time do Canindé, ponta esquerda ainda jogou no Corinthians e no Juventus

São Paulo, SP, 16 (AFI) - Filho da Zona Norte de São Paulo, o ponta-esquerda Wilsinho teve importante passagem pela Portuguesa de Desportos, onde começou a sua carreira no final da década de 1960. Há 44 anos, o paulistano que depois passaria por Juventus e Corinthians, marcava seu último gol pelo time do Canindé na carreira.

Wilson de Oliveira Riça nasceu em São Paulo em 13 de março de 1950 e cresceu na Casa Verde Alta, onde deu os primeiros passos no futebol de várzea da região em meados da década de 60. Logo chamou a atenção da Portuguesa, onde começou a treinar na base a partir de 1968.

Foto: Acervo / Wilsinho
Foto: Acervo / Wilsinho
PARADO!
Este início de carreira, porém, teve percalços e Wilsinho ficou um ano sem atuar. “Sofri um acidente de ônibus e fiquei seis meses me recuperando. Quando voltei fiz três ou quatro jogos pelo juvenil e fui suspenso por seis meses”, conta o ex atacante.

“Disputava um campeonato oficial na várzea que era organizado pela FPF e quando fui pra Lusa eu já jogava por esse time. Nem sabia desse regulamento”, explica sobre a suspensão por dois registros na federação.

Superado este momento ruim, passou a ter oportunidades no time profissional da Portuguesa ao mesmo tempo que ainda atuava pelos juvenis e, numa época que o clube chegou à duas decisões estaduais, teve papel importante nas oito temporadas que esteve na equipe.

“Sofri um pouco no início porque não tinha estrutura física, pois jogava no juvenil e profissional ao mesmo tempo. Mas devo tudo à Lusa pela minha carreira como atleta”, reconheceu.

FINAIS!
Foto: Acervo / Wilsinho
Foto: Acervo / Wilsinho
Nas duas decisões de Campeonato Paulista que disputou pela Portuguesa, Wilsinho teve dissabores. Na primeira, o título de 1973 dividido com o Santos amenizou sua cobrança penal no travessão do goleiro Cejas. Em 1975, de novo decisão por pênaltis e o chute de Wilsinho sai por cima da trave.

“Bati com a maior confiança, mas errei. Nenhum foi defendido pelos goleiros”, diz. O São Paulo do goleiro Valdir Peres ficou com o título.

Atuou por mais uma temporada na equipe do Canindé, por onde marcou 32 gols. “Apesar de ter marcado alguns gols, acho que o meu forte eram as assistências precisas”, explica. Em 16 de maio de 1976, em partida do primeiro turno do Paulistão, em Ulrico Mursa, em Santos, marcou na vitória por 6 a 2 sobre a Portuguesa Santista o seu último gol pela Lusa.

Saiu do Canindé para atuar no Juventus da Mooca, onde ficou até 1979, tendo ido para o Corinthians no mesmo ano. Jogou no clube do Parque São Jorge até 1980, retornando à Rua Javari em 1981 para encerrar a carreira.

Portuguesa Santista 2x6 Portuguesa
Competição: Campeonato Paulista de 1976
Data: 16 de maio de 1976;
Local: Estádio Ulrico Mursa, em Santos;
Árbitro: Emidio Marques de Mesquita;
Gols: Rui Rei 15’, Enéas 17’, Enéas 24’, Davi 33’, Veiga 43’ do 1ºT; Enéas 8’, Wilsinho 18’ e Enéas 25’ do 2ºT;

Portuguesa Santista: Maurinho; Otavio, Ailton, Góis e Celso; Pitico e Davi (Dimas); Chiquinho, Picolé (Ademar), Veiga e Bernardo.

Portuguesa: Ado; Cardoso, Mendes, Calegari e Santos (Galli); Badeco e Dicá; Xaxá, Enéas, Rui Rei (Adilton) e Wilsinho
Técnico: Oto Glória.