Série B: Régis abandona clínica, some do São Bento e deve ter contrato rescindido

O lateral não tem retornado às ligações do Bentão. que deve colocar um fim no vínculo

Publicado em .

O lateral não tem retornado às ligações do Bentão. que deve colocar um fim no vínculo

Sorocaba, SP, 15 (AFI) - O lateral Régis não deve mais jogar pelo São Bento. Pela segunda vez no ano, o jogador abandonou o tratamento para combater o consumo de drogas e o alcoolismo e não apareceu mais nos treinos da equipe visando o Campeonato Brasileiro da Série B. A diretoria da equipe sorocabana tem tentado entrar em contato com o atleta, visto pela última vez no Distrito Federal, mas sem sucesso.

Apesar dos inúmeros problemas extracampo do atleta durante as passagens por São Paulo e CSA, o São Bento apostou na reabilitação do jogador e vinha arcando com o tratamento do mesmo. No entanto, o contrato estava suspenso desde a primeira vez que Régis optou por se afastar da clínica.

Além de suspender o vínculo, o São Bento afastou o jogador até que a clínica assinasse um atestado de que o lateral estava realizando o tratamento combinado e apto para entrar em campo, onde o clube luta desesperadamente para seguir na Série B do Campeonato Brasileiro. Régis, no entanto, decidiu ir para perto da família, no Distrito Federal.

O São Bento, então, estuda rescindir o contrato, até o final da temporada, com o lateral por justa causa. Com 30 anos, Régies tem passagens por Goiás, Ponte Preta, Portuguesa, Botafogo, Red Bull Brasil, Luverdense, Guarani, Bahia, São Paulo e CSA.

CASO RÉGIS
Régis, que teve passagem pelo São Paulo, usou cocaína por três anos e consumiu álcool por oito. Ele foi dispensado do São Paulo justamente por causa das faltas aos treinos.

Régis não deve voltar a jogar pelo São Bento - Jesus Vicente
Régis não deve voltar a jogar pelo São Bento

Por causa dos transtornos de comportamento causados pela dependência, ele foi preso três vezes. Seu casamento acabou. Para evitar que sua carreira e sua vida fossem para a lata do lixo - a expressão é do próprio jogador -, ele foi morar na Casa Supera, local de reabilitação que fica em Sorocaba que adota uma metodologia nova. O dependente mora ali, não toma medicamentos e segue sua vida normal.

Os custos da casa - cerca de R$ 2.500 por mês - são bancados pelo São Bento, clube que deu uma segunda chance ao jogador, mas que agora estuda a possibilidade de encerrar o contrato do atleta.

Régis já esteve envolvido em várias confusões nos últimos anos. Ele foi preso por brigas, dirigir embriagado e até por tentar invadir um motel.