Quando a fase é boa... STJD absolve Guarani duplamente

Publicado em .

Campinas, SP, 23 (AFI) - Não é só dentro de campo que o Guarani vive um grande momento. Fora dele, o Bugre provou nesta segunda-feira que quando a fase é boa, todos os ventos sopram a favor. Em julgamento realizado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), no Rio de Janeiro, o time campineiro acabou absolvido pelo ato de um torcedor, que atirou um chinelo em campo na derrota para a Portuguesa, por 3 a 0, no último dia 31 de de outubro.Por decisão unânime, o Bugre acabou absolvido da denúncia no artigo 213 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). O artigo julga um clube por deixar de tomar as providências capazes de prevenir ou reprimir desordens em sua praça de desportos. A pena para o caso varia de perda de um a dez mandos de campo e de multa de R$ 10 mil a R$ 200 mil.



Confira também:
Guarani mantém a promoção de ingressos para a festa do acesso

De acordo com a súmula do árbitro Paulo César de Oliveira, aos 21 minutos do segundo tempo, um torcedor que se encontrava na arquibancada destinada à torcida bugrina arremessou um chinelo no campo de jogo em direção ao assistente nº 2 da arbitragem, Carlos Augusto Nogueira Júnior. O infrator não conseguiu alcançar o alvo, mas, mesmo assim, o clube poderia ser penalizado.A advogada bugrina, entretanto, conseguiu reverter a situação argumentando que o torcedor foi identificado e que foi registrado um Boletim de Ocorrência. Isso acabou pesando na decisão do Tribunal.



Outra decisão a favor do Guarani foi em relação a absolvição do atacante Caíque. Ele foi julgado com base no artigo 253 - praticar agressão física -, mas acabou se livrando da suspensão de 120 a 540 dias.