Sérgio Carvalho: São Paulo está com um pé fora da Copa Libertadores

Faltou esquema tático, faltou espírito coletivo, faltou competência para marcar e tentar o gol e faltou aquele espírito da Libertadores

por SÉRGIO CARVALHO - - - Campinas

A exibição do time do São Paulo em Cordoba, Argentina, na noite da última quarta feira, foi desastrosa. Faltou esquema tático, faltou espírito coletivo, faltou competência para marcar e tentar o gol e faltou aquele famoso espírito da Libertadores, que o Tricolor teve no passado, mas que de uns tempos para cá não passa nem perto do clube do Morumbi.

O Talleres, que é um time limitado e que ocupa a décima segunda colocação no Campeonato argentino, aproveitou-se de toda essa incompetência do time de André Jardine e transformou em realidade um velho sonho de seus torcedores: chegar bem mais longe na badalada Copa Libertadores de América.

SÃO PAULO da Libertadores está muito aquém do esperado. Falta espírito de Libertadores
SÃO PAULO da Libertadores está muito aquém do esperado. Falta espírito de Libertadores

ARGENTINO MEIO BOCA

O futebol apresentado pelo time argentino nem foi assim tão brilhante. Mas foi eficiente e o necessário para construir e merecer totalmente a vitória por 2 a 0 sobre o São Paulo. No primeiro tempo ele já teve ma is domínio de bola.

No segundo, ampliou esse domínio e construiu sua inesperada vitória sobre seu confuso adversário. O primeiro gol foi de Ramizes, aos 12 minutos do primeiro tempo, numa pancada de fora da área que o goleiro Volpi não conseguiu defender.

O segundo gol aconteceu aos 43 minutos do segundo tempo, já no final da partida, com outro chute indefensável de Pochettino, que o experiente goleiro são paulino não teve nenhuma chance de defender. O problema do São Paulo, no entanto, não esteve no seu goleiro.

OS PROBLEMAS DE JARDINE

Esteve, em primeiro lugar, na inexistência de um esquema tático que pudesse aproveitar as características de seus jogadores. O Tricolor de Jardine é hoje um amontoado de jogadores, que se esforçam, que correm muito, mas sem nenhum objetivo prático.

Não há nenhum setor que funcione. Os zagueiros se descuidam na marcação. Os cabeças de área não dão o primeiro combate e deixam a entrada da área sempre vazia (foi ali que os jogadores do Tallleres fizeram seus gols).

CRAQUES ESCONDIDOS

Os meias são dispersivos e não se comunicam em campo (Hernanes e Nenê só insistiram em jogadas individuais). E para terminar, os atacantes nunca se acharam. Everton foi decepcionante. Pablo quase não jogou dentro da área do adversário.

Preferiu ficar escondido na ponta esquerda. Do lado direito do ataque nenhum jogador que pudesse em velocidade vencer o bloqueio inimigo e partir para dentro da grande área do Talleres.

RESULTADO JUSTO

Resultado prático: vitória merecida do time da casa que agora tem dois gols de vantagem e pode até perder pela diferença mínima no Morumbi para se classificar. O São Paulo terá além da pressão de ser obrigado a buscar a virada, precisa também tentar atacar de forma mais objetiva e efetiva, sem deixar aqueles buracos na defesa como aconteceu no jogo em Cordoba.

Para ser sincero, não acredito que o São Paulo possa melhorar tanto assim em apenas uma semana de preparação. Mesmo jogando dentro de seu estádio e com o apoio de sua torcida.

O São Paulo pode sim até vencer essa segunda partida contra o Talleres, mas certamente não tem hoje condições técnicas e psicológicas para virar esse o jogo a seu favor.

Pelo menos, em tese. Na prática, no entanto, talvez isso possa acontecer.

Mas prá dizer a verdade, eu duvido muito!!!!

TALLERES conquistou uma vitória importante e agora traz vantagem para o Brasil
TALLERES conquistou uma vitória importante e agora traz vantagem para o Brasil

C * U * R * T * A * S

*ANDRÉ Jardine é culpado pelo mal futebol do São Paulo? É, porque afinal, quem dirige é ele, quem escala é ele e que tem obrigação de criar um bom esquema tático também é ele. Desde o inicio da atual temporada.Jardine não fez isso. Ou tentou e não conseguiu.

Ele queria seu time com maior posse de bola que o adversário. Tudo bem. Só que esse toque não pode ser para trás e lentamente. Precisa ser rápido, com deslocações, movimentações e até tentativas de dribles. Caso contrário o adversário se fecha e não deixar o São Paulo chegar ao seu gol.

AS ANÁLISES DE CADA UM

* NA DEFESA o goleiro Volpi foi razoável até agora. Teve algumas falhas, mas mostrou ter qualidades. Na linha de zaga tudo começa mal pela direita. Bruno Peres marca muito mal e mesmo quando vai ao ataque, erra demais. Se enrola com a bola.

Não merece ser titular e deve ser substituído com urgência. No miolo de zaga a dupla Arboleda e Diego Alves é boa. Mas como todo zagueiro eles precisam de cobertura e de ajuda no combate aos adversários que chegam com a bola. Isso não tem acontecido. Jucilei até tenta, mas é lento e não consegue.

* HUDSON anda muito preocupado em "matar"a jogada e, por isso, tem recebido muito cartão amarelo. Jardine precisa conversar com os dois e procurar orienta-los. Se não der certo, que se use um dos reservas que esperam chance. O que não pode é jogador ficar dono de uma posição.

Está mal, sai! Esse, por sinal, é o caso de Nenê. Ele pouco ou nada produziu nos últimos vinte jogos do São Paulo. Sempre que sai, faz bico. Ou Jardine tem uma conversa séria com ele e o enquadra, ou deve manda-lo embora. Não pode mais ser titular absoluto do time.

CONVERSA SÉRIA

* NA FRENTE, Jardine deve conversar sério com dois jogadores, Everton e Pablo. O primeiro jogou demais no primeiro turno do Brasileiro do ano passado. De lá para cá, no entanto, jamais voltou a produzir o mesmo futebol da boa fase.

Por que? O técnico precisa saber e dar a ele oportunidade de reagir. Quanto ao Pablo, é um ótimo centro avante. Mas ele está meio perdido. Mais recua para ajudar na criação do que ficar na área para fazer o que sabe melhor, marcar gols. Se ele voltar a ser o jogador de área que sempre foi, vai voltar a sua melhor forma.

PEDINDO PASSAGEM

* HÁ TAMBÉM o caso dos jovens valores que estão pedindo passagem para entrar no time. Um deles é Antony, Jovem, rápido, drible fácil, pontaria na hora de arrematar, cria, marca e faz gols.

Por que não lançá-lo já nessa partida decisiva contra o Talleres, na próxima quarta feira? Além dele há outras revelações que foram multi campeões no sub 20 e pedem passagem. Resta a Jardine apostar nele e criar um time rápido, perigoso no ataque e bem montado do meio campo para trás. Mas, para fazer isso, precisa ter coragem. Será que ele tem? Não parece.

GALO BUSCOU O EMPATE

* O ATLÉTICO MG conseguiu um bom empate com o Danúbio, do Uruguai, na terça feira à noite.O jogo foi na capital uruguaia. O placar final mostrou empate em 2 a 2, com gols de Ricardo

Oliveira aos 28 e Federico Rodrigues aos 47 minutos do primeiro tempo.

No segundo marcaram Ricardo Oliveira aos 33 e Sérgio Felipe, aos 35 minutos. O resultado foi justo. No Galo mineiro, dois jogadores estiveram abaixo de seu melhor nível. Falo de Chará e Fabio Santos.

Os dois gols do Danubio foram marcados exatamente em cima do lateral esquerdo.

MATADOR INSPIRADÍSSIMO

* BOM LEMBRAR que Ricardo Oliveira estava inspiradíssimo nessa partida. Fez dois gols e algumas jogadas de excelente nível. Parece ter voltado a melhor forma. Para se classificar, o Atlético vai precisar de um empate de 0 a 0, pois seus dois gols fora valem para definir quem ficará com a vaga.

Alerto que os próximos jogos desta fase da pré Libertadores serão disputados no meio da próxima semana. A partir de terça feira já tem jogo. Os classificados estarão na segunda fase da pré que será disputar no meio de semana seguinte. Não vai ser fácil.

SÉRGIO CARVALHO - -
Sérgio Carvalho é um dos ícones do jornalismo esportivo brasileiro. Sua coluna ganhou mais de cincoenta prêmios durante o período em que foi publicada pelo Diário de São Paulo (antigo Diário Popular) durante mais de vinte anos. Hoje é um dos pontos de referência entre os colunistas do Futebol In
Veja perfil completo
Veja todos