"Homem que não gosta de futebol é viado"

Colunista se diz uma felizarda porque casou há três anos com um homem que não torce para time de futebol nenhum (sic).

por - - - REDAÇÃO - Campinas

Colunista da Folha de São Paulo publicou texto em que fala de homens que não gostam de futebol.

Usa como exemplo seu próprio marido.
Além da exposição gratuita de seu relacionamento e de si própria, imitando o que ocorre com frequência hoje em dia nas redes sociais, a articulista, que parecia não estar em um bom dia, comete "pérolas" dignas de nota.
Mariliz Pereira Jorge, colunista da Seção de Esportes do jornal Folha de São Paulo (pág B13, 22/08), se diz uma felizarda porque casou há três anos com um homem que não torce para time de futebol nenhum (sic).
Informa mais: que nunca o viu falar sobre o assunto em jantar, chope ou churrasco com amigos. E que "jamais deixamos de fazer algo por ter um jogo". E reprisa, no seu texto em português ruim, ao estilo das frases desconexas de Dilma Roussef:
"Jamais !".
Além disso, Mariliz acha cafona no país do futebol, homens possuírem ou portarem qualquer objeto pessoal com o distintivo do clube do coração: seja a camisa oficial, toalha, boné ou simples chaveiro. Puxa, amiga, nem um chaveirinho?

"A não ser em boteco. Se for mulher, é cafona também".

Certamente para a colunista, as milhares de pessoas que saíram às ruas recentemente nos protestos contra sua inspiradora literária, Dilma Roussef, vestindo a camisa da seleção brasileira de futebol, são todas cafonas.

O problema é que quem acompanhou por TV, ou constatou pessoalmente, pode identificar centenas, milhares mesmo de pessoas, mulheres, homens, e até crianças, extremamente simpáticos, pacíficos, bem vestidos e alegres, participando dos protestos contra a roubalheira no país com a camisa de futebol da seleção nacional. Que, aliás, lhes coube muito bem visualmente.
Inclusive em mulheres bonitas, de todas as idades, e... elegantes, nos seus trajes informais, como provam fotos fartamente publicadas pela própria Folha de São Paulo. E isso independente de estarem participando de um ato cívico extremamente pertinente.
Já se você for ao Google e clicar o nome da colunista (porque ela que nos desculpe, mas é uma ilustre desconhecida), poderá constatar que suas fotos ali não revelam nenhuma modelo ou alguém que possa ser invocada como referência de bom gosto ao se vestir.
Para completar e voltando à coluna, Mariliz afirma:
Seu marido, é ela quem nos informa, é viciado em TV ("mas nunca em jogos de futebol," mas, sim, na série completa "Os Sopranos, que viu três vezes"??!!,) e desmente o mito existente que "homem que não gosta de futebol é viado".
Bem, "viado", o marido pode não ser, o que, aliás, é irrelevante.
Agora que o cara deve ser um tremendo chato, isso sem dúvida.
E, além de tudo, desatencioso. Nada parecido com um cavalheiro ou um homem de verdade que não gosta de futebol, como idealiza a autora da coluna.
Se a mulher escreve sobre futebol no maior jornal do país e nem isso o faz, ao menos por delicadeza e companheirismo, "jamais" se interessar pelo assunto, sei não.
Só faltou a colunista dizer que eles só se amam de luz apagada e que o maridão o faz com meias.
- - - REDAÇÃO
Esta coluna é publicada pela Editoria da Agência Futebol Interior. O PORTAL FUTEBOL INTERIOR é o mais completo site vertical de futebol do Brasil, com duas décadas de existência e que se tornou referência nacional quando se fala em futebol, a paixão nacional. E, totalmente, independente. Acom
Veja perfil completo
Veja todos