Flávio Guerra traz detalhes da polêmica envolvendo Aparecidense e Ponte Preta

Duelo entre as equipes, pela primeira fase da Copa do Brasil, vai ser julgado Tribunal Itinerante do STJD

por FLÁVIO GUERRA - Campinas

JULGAMENTO
Hoje acontece o julgamento do jogo entre Aparecidense x Ponte Preta. Alegando interferência externa no resultado, o time campineiro espera uma decisão favorável na sessão que vai ser realizada, nesta sexta-feira, a partir das 16 horas, no Tribunal Itinerante do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) na sede da OAB-CE em Fortaleza. E realmente a chance da partida ser anulada é muito grande, apesar da equipe de arbitragem não assumir, no lance específico não há interpretação, ou está impedido ou não está.

PROCEDIMENTO
Quando há duvida em algum lance de impedimento o procedimento a ser adotado pelo assistente é ficar parado sem levantar a bandeira e não correr para o meio de campo. Após isso há uma comunicação com o árbitro para informar o que aconteceu no lance e decidir se valida ou não o gol.

No jogo em questão o assistente parece não ter duvida do lance e equivocadamente corre para o meio validando o gol, mudando sua decisão após 16 minutos sem esclarecer o motivo. Pelas imagens é possível observar uma comunicação entre o assistente e o Delegado da partida antes da anulação do gol.

BOA IMPRESSÃO
Independentemente dos lances polêmicos que aconteceram no clássico entre Corinthians x São Paulo, o árbitro Lucas Bellote me deixou uma boa impressão. Foi o primeiro clássico da sua carreira e mostrou personalidade e tranquilidade durante a partida mesmo sendo prejudicado pelo erro de Emerson Augusto de Carvalho.

O assistente não assinalou saída de bola no primeiro gol do Corinthians. Manteve a mesma postura do inicio ao fim do jogo sem perder o controle em nenhum momento. Tomara que mantenha a mesma humildade e postura em outros jogos do campeonato. Se continuar assim terá uma grande e bela carreira pela frente com condições de apitar qualquer jogo.

VAR BRASILEIRÃO 2019
Agora vai, finalmente a CBF decidiu bancar o VAR (ÁRBITRO DE VIDEO) no Campeonato Brasileiro. A CBF prometeu, nesta sexta-feira, assumir todo o custo com tecnologia e infraestrutura. Caberia, então, aos clubes arcarem com os custos para os profissionais que operaram o sistema, assim como já ocorre com a arbitragem.

Flávio Guerra traz detalhes da polêmica envolvendo Aparecidense e Ponte Preta
Flávio Guerra traz detalhes da polêmica envolvendo Aparecidense e Ponte Preta

No ano passado, a decisão da confederação de repassar aos times os custos foi determinante para que o VAR não fosse adotado no Brasileirão de 2018, em proposta rejeitada em votação pelos clubes. Todos os jogos serão contemplados com o árbitro de vídeo trazendo igualdade e justiça para todas as equipes.

PROTOCOLO
É bom lembrar que o VAR não vai atuar em todas as situações de duvidas na partida. O VAR só pode ser usado em quatro situações: lances de gol/não gol, pênalti/não pênalti, cartão vermelho e erro de identificação na aplicação de cartões e a decisão final sempre será do árbitro de campo. O sucesso do VAR vai depender muito da atuação da equipe de arbitragem.

O árbitro de vídeo é mais uma ferramenta assim como o spray, a bandeira eletrônica o rádio comunicador etc. O árbitro precisa entender que quem apita e decide é ele, tem que apitar como se não tivesse o VAR, caso contrário o em vez de ajudar o VAR poderá trazer ainda mais problemas.

FLÁVIO GUERRA
Tenho 37 anos e sou professor de Educação Física desde 1999 e hoje trabalho como Diretor de Unidade na Fundação Casa em Campinas, onde iniciei em 2008 como agente educacional dando aulas de educação física para os adolescentes. Com 15 anos de idade comecei a apitar futebol amador em Penápolis minha
Veja perfil completo
Veja todos