Alô senhores cartolas do Guarani: cuidado na escolha do sucessor de Catalá

Treinador é demitido após derrota no dérbi. Doeu as 'oreias' ouvir que o Guarani foi melhor durante o primeiro tempo

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Fui checar por aí aquilo que falaram no pós-dérbi e das duas uma: ou estou desaprendendo enxergar futebol, ou minha televisão mostrou imagens do dérbi em preto e branco, e com chuviscos.

Doeu as 'oreias' ouvir que o Guarani foi melhor durante o primeiro tempo.

Melhor em que?

O primeiro tempo foi horroroso!

Foi um concurso pra se avaliar quem teria sido menos ruim, num dos dérbis mais pobre da história.

O fato de o Guarani ter mais posse de bola em nada significou que foi melhor.

Um time é melhor quando tem profundidade, criatividade e se aproxima do gol adversário.

Qual a chance de gol criada pelo Guarani durante o primeiro tempo?

Não venham me dizer que foi aquele chute de média distância do meia Murilo Rangel, para fora?

Se a bola fosse em direção ao 'retângulo', quem garante que o goleiro Ivan não defenderia?

PONTE

A Ponte foi irreconhecível durante o primeiro tempo. Além do gol perdido pelo meia João Paulo, logo no início, errou quase todas saídas de bola pelo lado esquerdo.

Faltava inspiração para João Paulo, e o atacante Bruno Rodrigues estava se atrapalhando com a bola.

Como a Ponte teria pretendido saída de bola pelo lado esquerdo com o futebol minúsculo que o lateral Ernandes tem mostrado?

LAZARONI

Com a lesão muscular de Ernandes, entrou Lazaroni. E houve mais acerto.

E como a Ponte saiu à frente do placar e o Guarani se abriu mais, ofereceu espaços para que Ponte trabalhasse um pouco melhor a bola.

MURILO RANGEL

Catalá foi demitido do Guarani
Catalá foi demitido do Guarani

Claro que Ricardo Cartalá errou ao sacar o meia Murilo Rangel no intervalo, mas diferentemente de que andaram dizendo por aí, Rangel não era o melhor, nem o pior em campo naquela altura.

Estava tão perdido quanto aos demais.

Melhor por causa daquela arrancada e finalização?

Claro que não. Todavia, de um bom jogador sempre se espera algo positivo.

E tinha gente que poderia ter sido sacado. Exemplo: Waguinho, que faz tempo não tem jogado nada, e sequer merece camisa de titular.

CATALÁ

Feita essa observação - e doa a quem doer -. mais de que esperada a demissão do treinador Ricardo Catalá, do Guarani.

A 'barulheira' na coletividade bugrina era um claro indício de que ele não se sustentaria no cargo, e nem é mais o caso discutir erros dele de 'a' até ''z'.

FELIPE CONCEIÇÃO

Nomes de sondados 'pipocam' ´por aí, e vou logo avisando aos desavisados dirigentes bugrinos que Felipe Conceição - até recentemente no Bragantino -, teve a petulância de deixar na reserva o melhor jogador da Série B do ano passado: Claudinho.

Por mais que Conceição justifique os seus motivos, deixar Claudinho no banco é marcar 'gol contra'.

Problema não é apenas treinador.

JOGADORES

É preciso recuperar jogadores sem confiança como Bidu e Giovanny, por exemplo.

É preciso ir ao mercado em busca de reforços, a começar por um zagueiro central.

Com Wálber, senhores, não dá.

Se erraram no planejamento ao não selecionar um atacante alto e cabeceador, há tempo de se rever o equívoco.

Por fim, uma lista de prescindíveis se faz necessária, a começar pelo atacante Alemão. Aí se estenderia para Elias Carioca e Lucas Abreu, entre outros.

Portanto, mãos à obra.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos