Além de motivador, Brigatti vai agregar conhecimentos estratégicos na Ponte?

Além de motivador, Brigatti vai agregar conhecimentos estratégicos na Ponte?

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Com atraso foi atualizada a coluna Cadê Você, que lembra o terceiro ano da morte do goleiro Waldir Peres, com início de carreira na Ponte Preta, passagem pelo Guarani, e relacionado para três Copas do Mundo.

Na postagem abaixo, o focalizado é o treinador Thiago Carpini, do Guarani.

Embora bastante criticado, cabe lembrar que foi ele quem deu identidade a um time que não tinha Norte, ano passado.

BRIGATTI

Ainda ecoa o desnecessário desabafo do treinador João Brigatti, da Ponte Preta, após o clube atingir o objetivo de escapar do rebaixamento e, de lucro, vaga às quartas-de-final do Paulistão.

As descabidas provocações aos bugrinos acirram ainda mais a animosidade entre rivais.

João Brigatti
João Brigatti

Cutucão também no torcedor pontepretano, então descrente na reação da equipe, poderia ter sido evitado, até porque ele não foi o responsável pela montagem desse time que continuou jogando apenas uma bolinha, apesar da reação nas duas últimas rodadas.

Assim, o máximo que poderia extrair da atual Ponte Preta seria voluntariedade, colocar os jogadores em plano físico aceitável.

MIRASSOL

Por sinal, ganhar do desmontado Mirassol era uma obrigação.

Logo, nada a ver a postura de Brigatti de valorização ao futebol do adversário, que segundo ele mostrou variação do 5-3-2 para 5-4-1, quando na prática o que se viu do Mirassol foi um amontado de jogadores abusando do direito de errar passes, sem organização de jogadas, e com claras deficiências no jogo aéreo defensivo, aspecto não observado pela comissão técnica pontepretana quando do jogo dele contra o Água Santa.

Mesmo sem criatividade para se infiltrar na defesa adversária, o time pontepretano insistiu em bola no chão, quando o recomendável seria explorar o jogo aéreo.

Nas raras vezes que fez isso, a Ponte chegou ao gol através do atacante Bruno Rodrigues, e o também atacante Moisés, sozinho, perdeu gol feito.

MOTIVADOR

De um treinador motivador, como João Brigatti, o reflexo é time guerreiro em campo, que vende caro as derrotas.

O que se espera dele nesta nova escalada na Ponte Preta é que tenha acrescentado estratégias que criem embaraços aos adversários.

Pior é que a Ponte não conta com homens com esse discernimento na cúpula do futebol, e muito menos entre os dirigentes.

Seja como for, Brigatti será testado no Brasileiro da Série B, pra se avaliar como vai reagir, até porque agora passará a contar com mais opções no elenco.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos