O que esperar dos clubes da 'B' que garantirem acesso?

O que esperar dos clubes da 'B' que garantirem acesso?

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Eis a questão: dos clubes que garantirem acesso à Série A do Campeonato Brasileiro, quais têm reais condições de participação digna?

O parceiro Ruz sugere que reflitamos sobre esse complexo tema, naturalmente com base no baixo índice técnico da Série B, e pela experiência de clubes que batem na primeira divisão e na sequência descem, devido à precária estrutura.

Retrospectos de CSA e Avaí mostram que estão apenas de passagem pela Série A. Chapecoense, que tem se mantido, já vê a corda laçada ao pescoço.

Evidente que até o Bragantino, com acesso encaminhado, sabe da necessidade de se reforçar para o ano que vem, pois até esse seu aceitável rendimento na 'B' provavelmente não seja suficiente para manutenção na 'A'.

Logo, dos integrantes da B que garatirem acesso, irremediavelmente vão ter que se replanejar, com exigência de reduzidos erros em contratações.

Ideal seria colocar isso em prática já no começo da próxima temporada, durante competições regionais.

Assim, seria possível a formação de uma base consistente, que poderia ser implementada com outras poucas 'peças'.

BRAGANTINO E CORITIBA

Os fatos evidenciam que duas das quatro vagas de acesso já estão praticamente asseguradas: Bragantino e Coritiba. Isso pelo retrospecto e rendimento na competição.

Apesar das oscilações, o Sport Recife é outro candidato, até porque conta com o experiente treinador Guto Ferreira.

Incertezas de Atlético Goianiense e Ponte Preta colocam dúvidas sobre quem vai ficar fora do baile.

Na troca de comando técnico da Ponte, a projeção natural é de ajustes de peças, organização da equipe, e que se busque opções que passam pela criação de jogadas e conclusões.

Aí, o jeito é aguardar o trabalho do treinador Gilson Kleina, enquanto do time goiano já se sabe até onde pode chegar.

Difícil acreditar que Paraná e CRB continuem 'brigando' no pelotão de cima, assim como seria tremenda surpresa se o Cuiabá se mantiver com aceitável pontuação.

Enfim, tudo isso não passa de exercício de conjecturação, ou achismo na mais direta expressão.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos