Torcida única contra os grandes em Campinas tem que ser contestada

Proposta do promotor é simplista: não quer torcedores de Santos, Timão, Palmeiras e São Paulo nos estádios de Ponte e Guarani

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Simplista a proposta do promotor do Ministério Público de São Paulo, Paulo Castilho, de torcida única quando Ponte Preta e Guarani receberem grandes clubes do futebol paulista.

A revelação feita à Rádio Bandeirantes-Campinas tem que ser contestada.

Ninguém discorda do comportamento violento de membros de torcidas organizadas, mas convenhamos que é plenamente possível controlar cerca de três mil torcedores de Corinthians, Santos, Palmeiras e São Paulo nos jogos em Campinas.

E desses três mil, nem todos integram as organizadas.

Foi-se o tempo em que se fazia futebol em Campinas para os campineiros.

BONS PAGAM PELOS MAUS
A corrente migratória na Região Metropolitana de Campinas é incalculável, e esses torcedores de bom comportamento não devem ser privados de acompanhar jogos de seus clubes nos estádios Moisés Lucarelli e Brinco de Ouro.

Está na hora de os dirigentes dos clubes campineiros entrarem no circuito e contestarem veementemente a postura do promotor, até porque ela implica em perda de receita.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos