Bugrino cospe fogo de raiva pelo rendimento de seu time e arrancada do rival

​Paysandu vence Guarani e respira na competição

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

O bugrino tem os seus motivos para cuspir fogo de raiva. A partir do momento em que o seu time não tinha mais chances de brigar pelo acesso, a acirrada rivalidade do futebol campineiro implicava em torcer pela composição de resultados que afetasse os planos da Ponte Preta.

Deu tudo errado para o bugrino. Mesmo sem convencer a Ponte Preta continua vencendo. Passou pelo Juventude por 1 a 0, e ainda acabou beneficiada por todos os resultados que dependia para ficar em situação confortável nesta reta de chegada do Campeonato Brasileiro da Série B.

No frigir os ovos, o desconsolado bugrino vê a Ponte Preta depender exclusivamente dela para garantir o acesso. Basta vencer Coritiba e Avaí.

E pra completar a trágica noite dos bugrinos, uma atuação horrorosa na derrota por 2 a 0 para o Paysandu, no Estádio Brinco de Ouro, na noite deste sábado.

E mais: se os atacantes Magno e Hugo Almeida, do Paysandu, não perdessem gols feitíssimos, seria de goleada, até porque o Guarani não criou absolutamente nada.

PAYSANDU MELHOR

O treinador João Brigatti colocou o Paysandu no ataque logo no início da partida, na expectativa de chegar ao gol e depois administrar a vantagem.

Aos 18 minutos, lançado em profundidade, Magno aproveitou hesitação do zagueiro Philipe Maia e goleiro Agenor, do Guarani, para colocar o Paysandu em vantagem.

Depois disso o Paysandu recuou a marcação, sem contudo permitir que o Guarani criasse. E ainda foi beneficiado pela lentidão, falta de criatividade e desinteresse de alguns jogadores bugrinos. Soma-se a isso o excesso de erros de passes. Logo, o resultado prático foi uma das piores apresentações da equipe na competição.

O segundo gol do time paraense foi anotado pelo zagueiro Perema de cabeça, no desdobramento de cobrança de falta, aos quatro minutos do segundo tempo.

As escalações do meia Rafael Longuine e meia-atacante Matheus Oliveira foram equivocadas, pois ambos não têm convencido e acabaram substituídos no intervalo.

Entretanto, os jogadores que os substituíram não conseguiram melhorar a produção da equipe, casos dos meias Rondinelly e Guilherme.

Portanto, vitória justa do Paysandu que ainda luta para escapar do rebaixamento. Já na terça-feira ele enfrenta o Criciúma, e encerra a participação em seus domínios diante do Atlético Goianiense.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos