Embora recolocado no páreo, futebol do Guarani não o credencia à vaga de acesso

Time bugrino ficou devendo melhor rendimento na vitória sobre o Juventude

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

O gol de pênalti convertido pelo atacante Bruno Mendes recoloca o Guarani no páreo pelo acesso neste Campeonato Brasileiro da Série B, após vitória por 1 a 0 sobre o Juventude, na noite desta quinta-feira, em Campinas.

Todavia, o futebol apresentado não recomenda qualificação ao Brasileirão de 2019. Diante de um adversário modesto, o Bugre teve apenas alguns lampejos, insuficientes para devolver a confiança ao seu torcedor.

O primeiro tempo do time bugrino foi sofrível. Se conseguia algumas transições ao ataque com descidas do lateral-direito Kevin, prudentemente o treinador do Juventude, Luiz Carlos Winck, trocou de lado o atacante Caio Rangel, pra jogar pelo lado esquerdo, e assim inibiu as descidas do jogador bugrino.

LONGUINE

O meia Rafael Longuine estava apagadíssimo e sequer deveria ter voltado ao campo de jogo após o intervalo, mas o treinador Umberto Louzer preferiu sacar Matheus Oliveira, que igualmente não correspondia, aos 12 minutos do segundo tempo.

Na prática, o Guarani havia assustado apenas em dois lances esporádicos.

Em passe de Longuine, Bruno Mendes ficou em condições de finalizar dentro da área, mas o goleiro Matheus Cavichiolli travou.

Depois, o próprio Longuine, explorando ‘linha burra’ malfeita pelo miolo de zaga gaúcho, teve chance de concluir, mas a bola foi chutada pra fora.

PÊNALTI

No último quarto de partida o Guarani passou a ter controle do jogo e o Juventude, já desgastado, ficou se defendendo para sustentar o empate.

Foi quando, aos 35 minutos, Bruno Mendes converteu pênalti ao chutar a bola no meio do gol. O lance foi originado por precipitação de Esquerdinha, do Juventude, que errou o tempo do ‘bote’ e derrubou o atacante Bruno Xavier dentro da área.

A incerteza sobre a trajetória do Guarani na competição tem a ver com frequentes oscilações de jogadores.

Longuine, por exemplo, não faz por merecer camisa na equipe. Atuações discretas de Matheus Oliveira também são preocupantes.

BRUNO MENDES

Assim, a bola custa a chegar em Bruno Mendes, ou não chega redonda, o que resulta em clara irritação do atleta.

Já que avanços do lateral-esquerdo Pará são basicamente inconsequentes, o recomendável é que o time saiba explorar bem o lado direito.

Pra isso, foram citadas reiteradas vezes a importância de se programar cobertura de um volante pelo lado direito, para que Kevin tenha liberdade.

Entretanto, os volantes Ricardinho e Willian Oliveira trocam de lado constantemente, o que dificulta a definição do atleta de cobertura.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos