Graziano abre o jogo sobre a sua proposta como parceiro do Guarani

Tempo prolongado da co-gestão seria um dos inconvenientes

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Reveladora foi a entrevista do presidente da empresa Magnum, Roberto Graziano, à Rádio Bandeirantes-Campinas na noite desta quinta-feira.

A proposta de parceria no futebol com prazo de cinco anos da Magnum/ASA, renovável por igual período, é extremamente prolongada.

Limite de três anos é suficiente para os parceiros obterem lucros e o Guarani se reorganizar.

Roberto Graziano
Roberto Graziano

Ficou claro também o risco de que o Conselho de Administração do Guarani seja voto minoritário nas avaliações de casos pendentes, visto que Graziano deixou claro que prevalece a decisão da maioria.

Ora, se os dois sócios - obviamente atrelados - propuserem algum tipo de decisão, a tendência natural é de que o Guarani se torne voto vencido.

Portanto, cartolada, trate de negociar esse item proposto pelo dono da Magnum, caso se defina pra que seja o parceiro no futebol.

RECEITA DO GUARANI

Receita fixa de 10% do arrecadado ao Guarani é cabível, até porque os parceiros se responsabilizam pelos encargos em geral.

Promessa de quatro a cinco reforços de imediato ao time de futebol, e de nível indiscutível - provenientes do mercado nacional e internacional - é alentadora desde que seja cumprida.

Neste Campeonato do Brasileiro da Série B nivelado por baixo, quem tiver um olho candidata-se a ser rei, e assim garantir acesso ao Brasileirão de 2019.

Eis aí uma coisa pra ser bem amarrada, pra não se ficar no lero-lero.

O investidor deixou claro que na hipótese de fracasso no futebol, a perda seria dele pela obrigatoriedade de aportar recursos na ordem de dez ou doze milhões de reais, visando a recuperação.

ESTÁDIO MAIOR

Igualmente alentador na entrevista foi a possibilidade de se acenar com parceria para rediscussão sobre novo estádio dos bugrinos, com capacidade de público maior de que o previsto.

Graziano avalia perspectiva otimista para entendimento com a empresa WTorres - a mesma que construiu a Arena do Palmeiras - para que a capacidade do novo estádio do Guarani seja ampliada para 25 mil espectadores, portanto superior aos 12 mil acordados na Justiça.

Na entrevista, ele revelou que a área compreendida no complexo do Brinco de Ouro será transformada futuramente em shopping, hotel, centro de convenções, restaurante e prédios residencial e comercial.

Ponto positivo ao comandante da Rádio Bandeirantes-Campinas, Carlos Batista, que trouxe à emissora entrevista esclarecedora para que o bugrino faça juízo das vantagens e desvantagens de parceria de seu clube com as empresas Magnum/ASA.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos