Lenon ainda carece de treinos específicos para melhorar cruzamentos e marcação

Lateral fica vinculado ao Vasco até o final do ano

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

Nem tanto ao céu, nem tanto à terra. Não se deve adotar o radicalismo de julgar o lateral-direito Lenon praticamente um estorno ao time bugrino, como insinuaram alguns parceiros, mas longe de acompanhar o coro de bajuladores do atleta, que alardeiam ter sido grande perda para o Guarani, neste empréstimo ao Vasco até o final do ano.

O fato de Lenon dispor de vigor físico para fazer o vaivém, ser visto frequentemente ao ataque, reflete em impressão, ao menos avisado, que isso representa eficiência.

De que adianta ele levar rapidamente a bola até a intermediária adversária, e na maioria das vezes alçá-la no típico chuveirinho, devolvido por defensores adversários?

PASSADAS LARGAS

Convenhamos que as passadas largas dele devem ser realçadas, mas por falta de treinamento específico raramente se aproxima da linha fatal do gramado, visando o cruzamento para trás, que geralmente encontra o cabeceador de frente para a bola.

No caso específico, não cabe culpa exclusiva ao treinador bugrino Umberto Louzer, pelo lateral se desfazer da bola na intermediária adversária.

Seus antecessores igualmente não souberam posicioná-lo adequadamente precedendo o cruzamento. Tem-se que reconhecer, todavia, que o atleta foi trabalhado para triangulações pelo setor.

Agora no Vasco, provavelmente o treinador Jorginho não deve corrigir a postura ofensiva de Lenon para que avance até o fundo de campo, antes do cruzamento.

Cobra-se, pelo menos, exaustivos treinamentos para melhorar a batida na bola, pois nas finalizações a bola tem passado distante do goleiro adversário.

Enquanto atleta, Jorginho não era lateral de jogada de fundo. Preferia o passe rasteiro e curto à bola alçada.

MELHORAR A MARCAÇÃO

Embora jamais se negue voluntariedade de Lenon na atribuição de marcador, está claro que igualmente tem deficiência nesse quesito, notadamente quando enfrenta atacantes de beirada que pautam pela habilidade.

Como Lenon é um profissional correto, compenetrado, está claro que precisa da devida orientação para que problemas na marcação sejam minimizados.

Por fim, não cabem críticas ao presidente bugrino Palmeron Mendes Filho sobre negociação do atleta ao Vasco.

Tem-se que considerar que Lenon estava na iminência de atingir o período para requerer pré-contrato com outra agremiação, e isso implicaria em desligamento do Guarani dentro de seis meses.

Caso isso ocorresse, o Guarani ficaria literalmente de mãos abanando. Na hipótese de suposto interesse do Vasco ou outra agremiação pelo atleta para cessão em definitivo, será possível vantagem financeira.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos