Dois a zero foi pouco pela disparidade do Guarani sobre o Juventus

Mais de mil bugrinos acompanharam o time assumir a liderança na Rua Javari

por ARIOVALDO IZAC - - - Campinas

A disparidade técnica do Guarani em relação ao Juventus foi tão flagrante que o placar favorável por 2 a 0 - estabelecido ainda no primeiro tempo - não refletiu a realidade da partida disputada na manhã deste domingo no Estádio Conde Rodolfo Crespi, a acanhada Rua Javari.

Com o resultado, o Guarani assumiu isoladamente a liderança do Campeonato Paulista da Série A2, agora com 25 pontos, praticamente consolidando vaga à etapa semifinal da competição. Dos três últimos jogos restantes, dois serão realizados em Campinas: Penapolense e Votuporanguense.

Considerando-se a fragilidade da Portuguesa, e o fato de a torcida bugrina ter ‘invadido’ estádios adversários, pode-se dizer que esse será um jogo de campo neutro, embora marcado para o Estádio do Canindé.

Pode-se dizer que a partida na Rua Javari se caracterizou por dois tempos distintos.

Na primeira fase o Guarani impôs a sua melhor condição e conquistou o resultado. Depois tratou de administrá-lo, atraindo o Juventus com finalidade de surpreendê-lo em contra-ataques, sem contudo executá-los com êxito.

ORGANIZAÇÃO

Enquanto o Guarani entrou em campo mostrando organização desde a saída de bola, girando-a alternadamente para os lados, e forçando a individualidade de Erik pela esquerda, com nítida vantagem sobre o seu marcador Douglas, o Juventus não mostrou nada além de voluntariedade.

Todavia, só espírito guerreiro do Juventus, sem sentido de organização, é insuficiente no futebol. A recomposição de seus meias e atacantes era lenta, e o Guarani encontrava espaço para tocar a bola e criar jogadas agudas.

Assim abriu o placar através de Bruno Mendes, que escorou de cabeça a bola tocada por Bruno Nazário, aos 28 minutos.

A vantagem foi ampliada através de cobrança de pênalti do atacante Érik, que sofreu falta dentro da área, em falha grotesca do lateral Douglas, visto que atingiu desnecessariamente o jogador bugrino aos 37 minutos.

OUTRAS CHANCES

Ainda no primeiro tempo, em lances consecutivos, Bruno Mendes e Ricardinho exigiram defesas do goleiro André Dias. E numa bobeira de um defensor juventino, que perdeu a bola bisonhamente, Bruno Nazário teve o gol escancarado, mas, na finalização, outra vez apareceu o goleiro André Dias.

Diferentemente do Guarani, o Juventus não criou absolutamente nada naquela fase. Basicamente optou por alçar bola à área bugrina, quase todas rechaçadas.

Até em decorrência do forte calor na manhã deste domingo, o Guarani optou pela administração da vantagem no segundo tempo.

Logo, pela fragilidade do Juventus, houve queda acentuada de ritmo da partida, que se arrastou até a comemoração de mais de mil torcedores bugrinos, dos 3.326 pagantes no estádio.

ARIOVALDO IZAC - -
Jornalista esportivo há 35 anos. Trabalhou, como jornalista, nas emissoras de Rádio Brasil, Educadora, Central, Jequitibá e Capital (São Paulo). Nos jornais: Diário do Povo e Jornal de Domingo, ambos de Campinas, e editor de Economia e Opinião do Jornal Todo Dia, de Americana.
Veja perfil completo
Veja todos